Porto Seguro SA – PSSA

Porto Seguro SA – PSSA

portoA empresa foi fundada em 1945 e atua na área de seguros principalmente no mercado brasileiro. A empresa oferece seguros para automóveis, residência e previdência. Em 2009 a empresa ficou associada com o grupo Itau Unibanco e passou a ofertar planos de assistência à saúde e odontológico.

Além disso a empresa atua em outros segmentos de menor expressão dentro do caixa da empresa como consórcios, monitoramento e rastreamento de veículos e venda de autopeças através da Renova.

receita seguro

A Porto Seguro além de atuar no mercado brasileiro tem forte representatividade no mercado uruguaio sendo a segunda maior seguradora do Uruguai. Vejo o Market Share da empresa no mercado brasileiro:

market share porto

 

Em empresas de seguro é importante acompanharmos o Índice Combinado que é um indicador que mede o resultado operacional de uma seguradora. Ele é basicamente o índice de sinistralidade com o índice de despesas. Sempre que o índice combinado for inferior a 100 significa que a seguradora obteve lucro.

indice combinado

Outro fator que podemos acompanhar em seguradoras é o resultado financeiro da empresa pois basicamente a empresa de seguro recebe o dinheiro antes de oferecer o serviço, é muito importante como eles tem conseguido fazer mais receita reinvestindo esse capital. Veja que esse resultado financeiro nesse tipo de empresa sempre tem um impacto considerável. Para medir isso usamos o Índice Combinado Ampliado que corresponde ao Índice Ampliado e somasse a isso o resultado financeiro.

incice combinado ampliado

 

 

Os dados da empresa
Ano Patrimônio Receita Lucro Liq Div/PL Margem OP FCL Payout DPA LPA IC ICA
2004 939 2.894 149 0% 5%   14% 0,27 1,94  
2005 1.095 3.525 248 0% 7%   11% 0,37 3,22 101,70 89,00
2006 1.529 4.176 460 0% 11% 94 11% 0,66 5,97 93,80 81,40
2007 1.814 4.091 419 0% 10% 161 11% 0,61 5,44 94,20 83,50
2008 1.964 4.825 290 0% 6% 173 35% 0,44 1,26 98,60 89,80
2009 2.117 6.514 318 0% 5% 1.299 47% 0,46 0,97 98,50 90,00
2010 4.442 8.909 623 0% 7% 140 28% 0,53 1,90 96,30 88,50
2011 4.703 9.884 580 0% 6% 333 59% 1,04 1,77 99,30 91,20
2012 5.074 0 680 0% 0% -540 46% 0,97 2,09 99,00 90,70
2013 5.894 5.974 1.397 0% 23% 1.022 25% 1,09 4,33 87,40 80,30

 

Veja como eu analiso as minhas empresas…

Veja mais artigos sobre a Porto Seguro…

*Valores em R$

Redução da desigualdade demanda novas políticas

Penso que o país teve momentos cruciais ao longo de sua história, por alto podemos levantar quando o país deixou de ser apenas um monte de terra de cultivo e em seguida, teve inicio no regime militar, uma serie de melhorias na infra-estrutura foi quando se construiu boa parte das rodovias, portos, ferrovias e hidrelétricas que temos hoje, depois veio uma desestatitazação do governo na época do FHC que privatizou boa parte do peso gerado pelo regime militar, deixando a malha estatal mais leve e por fim na época do governo Lula onde foco foi diminuir a desigualdade social, fazer a ascensão da classe média.

Fato que o país chegou num ponto crucial onde agora precisa tomar novos rumos, novos desafios, entendo que a palavra do momento deve ser: Produtividade.

Independente de quem for eleito esse deve colocar sua atenção primariamente em políticas e ações para melhorar a produtividade na industria, no comercio, na prestação de serviço, nas escolas, enfim o país precisa de fazer mais com menos para podermos retomar o crescimento.

Veja abaixo um vídeo da entrevista do economista Felipe Salto realizada pelo Estadão

NYSE: Fazendo uma analise do setor de Financial Exchanges

NYSE: Fazendo uma analise do setor de Financial Exchanges

FC2D7Esse artigo inicia uma serie de estudos que estou fazendo sobre alguns setores para se investir no mercado americano, para visualizar outras analises acesse a tag de Setores do blog.

Esse artigo é para mostrar aqueles que estão começando nos investimentos como selecionar uma empresa para investir, apesar de se tratar de empresas globais o processo pode ser facilmente aplicado também na bolsa Brasileira.

O objetivo desse estudo é fazer uma pré seleção, portanto não será nada muito aprofundado, vou focar apenas nos indicadores fundamentalistas e deixar de lado uma analise da governança e cenário macro econômico.

O PASSO-A-PASSO

Primeiro passo é decidir um setor para investir.

Levante os principais indicadores das empresas que compõe o setor, cuidado tem empresas que são totalmente diferente mas as vezes estão dentro de um mesmo setor, nesses casos devem ser analisadas separadamente.

Depois de selecionada a(s) que mais lhe interessou comece a estudar os balanços da empresa e buscar informações sobre a governança.

Por fim analise o cenário macro econômico onde a empresa está inserida, tanto no mercado global quanto no mercado interno do país.

Veja nesse artigo de como analisar em detalhes uma empresa.

OS PLAYERS DO SETOR

No mercado americano que contei por alto nesse setor tem 18 empresas listadas na NYSE eu vou focar nas que tiverem mais representatividade no cenário global. As empresas selecionadas foram:

  • CME Group Inc – CME – Bolsa de Chicago/New York
  • Intercontinental Exchange Inc – ICE – Bolsa Atlanta M&F
  • Deutsche Boerse AG – DBOEF – Bolsa Alemanha
  • London Stock Exchange Group PLC – LDNXF – Bolsa Londres
  • NASDAQ OMX Group, Inc. – NDAQ – Bolsa TI USA
  • Japan Exchange Group Inc. – OSCUF – Bolsa Japão
  • Singapore Exchange Ltd – SPXCY – Bolsa Singapura
  • CBOE Holdings Inc – CBOE – Bolsa Chicago em 2007 criou a CBOE Stock Manager para concorrer com a NYSE e NDAQ por isso só temos dados desse ano em diante.
  • NYSE Euronext, Inc – NYX – Bolsa de New York

Pré – Eliminadas

London Stock Exchange Group PLC – LDNXF – Teve LPA negativo recentemente em 2009 de U$ -1,71.

NYSE Euronext, Inc – NYX – Teve LPA negativo recentemente em 2008 de U$ -2,78

Japan Exchange Group Inc. – OSCUF – Apesar de ter números razoáveis não tenho dados muito antigos por conta da fusão da bolsa de Tokyo e Osaka ano passado.

Analisando o histórico

Dividendos por ação - DPA
Códigos 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 CRESC %
CME 0,21 0,37 0,5 0,69 0,92 0,92 0,92 1,12 1,79 1,8 24%
ICE                   0,65 0%
DBOEF               1,99 2,25 2,11 2%
NDAQ                 0,39 0,52 15%
SPXCY                   0,85 0%
CBOE             0,2 0,44 0,54 0,66 35%

Obvio que o blog por se tratar de dividendos o primeiro dado que pego é se a empresa possui uma base de dividendos regular, se a empresa manter uma base de pagamento de dividendos de pelo menos 10 anos seria o mínimo para aceita-la na minha carteira. Nesse caso olhando o quadro acima apenas a CME conseguiu manter uma base constante de pagamento dos dividendos.

Vamos parar só para abrir um parênteses, você não deve olhar apenas os dividendos mas o conjunto, as vezes a empresa não distribui dividendos pois reinveste os lucros nesse caso você precisaria olhar para ver se o LPA dela está crescendo é exatamente isso que vamos fazer agora…

Lucro por ação - LPA (EPS)
Códigos 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 CRESC %
CME 1,28 1,76 2,32 2,99 2,43 2,48 2,86 5,43 2,7 2,92 9%
ICE 0,41 0,39 2,4 3,39 4,17 4,27 5,35 6,90 7,52 3,21 23%
DBOEF 3,12 4,85 4,36 6,92 7,17 3,81 2,99 5,92 4,56 3,54 1%
NDAQ 0,02 0,57 0,95 3,46 1,55 1,25 1,91 2,15 2,04 2,25 60%
SPXCY 0,90 1,68 3,93 4,94 2,96 3,26 3,4 3,24 3,71 3,6 15%
CBOE         1,24 1,17 1,03 1,52 1,78 1,99 8%

Numa situação normal eu já resumiria minha decisão entre CME e NDAQ (Nasdaq) veja que apenas a CME tem um pagamento de dividendos e apesar da Nasdaq começar a distribuir dividendos a partir de 2012 ela teve um crescimento no LPA de 60% o que ainda a deixa na disputa.

Uma empresa com crescimento no LPA abaixo de 25% e que não distribuía dividendos por 10 anos pra mim já fica como eliminada no processo de escolha. Mas para efeito didático vou manter as eliminadas no quadro.

Gestão da dívida - Divida / PL
Códigos 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013
CME     34% 1% 17% 12% 13% 10% 13% 14%
ICE 19%     15% 24% 13% 21% 28% 31% 40%
DBOEF                  
NDAQ 169% 471% 103% 5% 59% 42% 49% 43% 38% 43%
SPXCY 105% 1%              
CBOE                  

Se acompanharmos o endividamento da CME e NDAQ vamos perceber que a NDAQ é bem mais endividada, normal pois ela é uma empresa mais de crescimento e empresas nesses moldes costumam se endividar para alavancar o crescimento. O que poderia ser algo ruim seria um endividamento em excesso da CME isso talvez poderia me preocupar, mas ela praticamente não tem divida.

Margem liquida
Códigos 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013
CME 30% 34% 37% 37% 28% 32% 32% 55% 31% 33%
ICE 20% 26% 46% 42% 37% 32% 35% 39,00% 41% 14%
DBOEF     34% 37% 40% 23% 20% 40% 36% 26%
NDAQ 2% 7% 8% 21% 9% 8% 12% 11% 11% 12%
SPXCY 40,00% 46% 73% 62% 51% 50% 44% 45% 47% 47%
CBOE         28% 25% 23% 27% 31% 31%

Para fechar os quadros eu olho a margem da empresa, poderia dizer que nesse caso o critério de desempate entre CME e NDAQ seria a margem, a margem da CME é muito mais constante e muito mais robusta que a da NDAQ.

Conclusão

Os dados das empresas do setor de Financial Exchanges não são nada bonitos, confesso que antes de analisar o setor eu acreditava que as empresas possuíssem uns fundamentos melhores do que eu constatei, até porque nos outros setores que acompanhei do mercado americano as empresas de modo geral tinham os fundamentos bem melhores que a dos seus pares no mercado brasileiro.

Enfim se tivesse que escolher uma das 6 pré selecionadas eu ficaria com a CME Group Inc – CME foi uma empresa que lateralizou o crescimento dos lucros, mas que teve uma constante distribuição de dividendos, para finalizar quando eu escolho uma empresa de dividendos eu sempre analiso o Payout histórico da empresa, no caso da CME ela tem uma média de 60% eu achei até saudável pois tem margem ainda para aumentar a distribuição dos dividendos caso seja necessário.

Concluída essa pré seleção da CME o próximo passo e estudar a história da empresa, ver sobre o setor que ela atua, as suas dificuldades e vantagens competitivas e acompanhar o plano de investimento da empresa, mas isso tudo é assunto para outro post.

 

BVMF: Compras Setembro 2014 – PSSA3 – AEFI11

BVMF: Compras Setembro 2014 – PSSA3 – AEFI11

size_590_porto-seguroDepois de vender a minha posição no Banco do Sergipe SA – BGIP4 – precisava de alocar o dinheiro em outra empresa, juntei com os dividendos recibos no mês e resolvi aplicar na Porto Seguro SA – PSSA3 eu já vinha acompanhando os balanços da seguradora a um bom tempo, tanto que foi ela que me motivou aportar na Aflac nos USA. Além dessa compra também efetuei um aporte no FII AESAPAR – AEFI11.

Compra de setembro de 2014 na bolsa de São Paulo
Empresa Código Qtde comprada
Porto Seguro SA  PSSA3 100
AESAPAR AEFI11 12

Já atualizei a minha carteira com essa nova aquisição.

Porto Seguro SA – PSSA3

Do ponto de vista do consumidor eu não gosto de seguradoras. Afinal, parece que o dinheiro que pagamos pelo prêmio entra em algum buraco negro, para nunca mais ser visto novamente. Eu nunca precisei de acionar o sinistro, e prefiro manter assim, pois isso significa que algum tipo de tragédia provavelmente teria acontecido.

No entanto, a partir da perspectiva de um investidor as companhias de seguro muito me agradam. Elas basicamente recebem os prémios na frente e começam a investir o capital no ínterim até que você faça um pedido de sinistro. É uma fonte de baixo custo do capital, o chamado float, e essas empresas ficam com os ganhos (ou perdas, Deus nos livre…) que colhem com o dinheiro de outras pessoas. Se as companhias obter lucros sobre os prêmios cobrados, você como investidor numa empresa assim também terá direito a esses lucros.

É óbvio que é um modelo de negócio fantástico e de fácil compreensão, talvez por isso provavelmente que Warren Buffett é um grande fã de companhias de seguro. Veja uma de suas cartas a Berkshire escrita a 21 anos atrás, quando WB investiu na GEICO.

Os números da Porto Seguro tem sido bastante constante, a empresa está com um bom Fluxo de caixa Livre, teve apenas um ano negativo em 2012 mas foi por conta de um ajuste contábil. Quanto ao lucro a empresa em 2013 teve um não recorrente de 700 milhões referente ao ganho de causa do COFINS o que levou a uma distorção, mas a empresa vem mantendo um crescimento constante.  Margem vem crescendo consideravelmente, sobre a dívida no caso não tem muito o que se falar visto que seguradora não possuem dividas.

SEGURO

O LPA em 10 anos saiu de R$ 0,64 para absurdos R$ 4,32 nós traz um crescimento médio por ano de 21 % e o dividendo por ação saiu de R$ 0,27 em 2004 para R$ 1,09 em 2013 levando-se em conta que a empresa possui uma taxa de payout histórico na casa de 40% acredito que ainda possa crescer mais uns 10% de payout sem afetar em nada o poder de crescimento e investimentos da empresa.

Eu ainda não consegui levantar o histórico de 10 anos do Índice Combinado da Porto mais levando-se em conta 2012 e 2013 o índice vem se mantendo estável em 96%

Se levarmos em conta que o mercado de seguros no Brasil ainda é muito pouco explorado podemos imaginar um crescimento maior nos próximos anos.

BVMF: Vendas Setembro 2014 – BGIP4

BVMF: Vendas Setembro 2014 – BGIP4

banese-utopiaEu havia comentado no artigo sobre os dividendos recebidos deste mês que estava insatisfeito com Banco Banese, bem eu resolvi antecipar essa ação de venda e saí da empresa completamente.

O motivo de ter saído da empresa foi que ela vinha apresentando resultados pífios os resultados praticamente caíram pela metade. O lucro caiu de 88 milhões para 47 milhões e a tendência é que caia mais. A margem bancária também despencou e chegou abaixo de 10% enfim como acredito que existe outras opções melhores nesse setor financeiro decide por vender minhas ações.

Eu acho que em toda a minha carteira eu só saí de 3 empresas: Eternit, Marcopolo e agora o Banese.

Venda de setembro de 2014 na bolsa de São Paulo
Empresa Código Qtde comprada
Banco Estado Sergipe SA  BGIP4 145

Já atualizei a minha carteira com essa venda.

O que eu considero para sair de uma empresa

Acho que ainda não falei sobre esse assunto no blog, então vale abrir um parênteses para explicar o que devemos considerar para sair de uma empresa.

Primeiro eu acho que cada um deve definir tanto os parâmetros para entrar numa empresa, quanto os parâmetros para sair de uma empresa, você deve definir esses parâmetros antes de se tornar sócio, anote essas informações em algum lugar para referencia futura e quando for acompanhar os balanços você faz uma revisão com os seus parâmetros.

Use os indicadores que lhe chamariam a atenção para alguma situação complicada, por exemplo um crescimento na divida da empresa, uma queda ao longo dos anos no Fluxo de Caixa Livre, estagnação do crescimento dos lucros e receitas (caso seja uma empresa de crescimento e não de dividendos), diluição excessiva dos acionistas, queda nas margens, etc.

Os indicadores de uma empresa apesar de serem importantes não se deve basear apenas neles. Tanto para entrar, quanto para sair da empresa é importante fazer uma analise de todo o conjunto como a administração o momento da economia no cenário nacional e internacional.

As vezes uma empresa pode ter uma queda nos indicadores e você ainda pode achar ela atraente, talvez por acreditar na política de investimento da empresa ou na administração, a empresa pode até estar passando por dificuldades mas você vê que a administração está tentando contornar as coisas. Vamos a um exemplo pratico:

A Santos Brasil está numa situação muito parecida com a Banese. A Santos vem enfrentando dificuldades grandes com concorrência e regulamentações do governo, soma-se a isso a queda no cenário econômico, pronto temos um prato cheio para dificuldades.

Mas mesmo apesar de todos os problema eu ainda não vejo motivos para sair da empresa, não de imediato, a administração vem tomando medidas para tentar contornar esses problemas, vem fazendo investimentos, tentando diversificar a oferta de produtos, enfim você vê que a empresa está se mexendo, quanto a Banese, talvez até por ter uma forte dependência estatal, não tem feito nada de muito concreto para tentar contornar a situação que não está nada fácil e com isso o banco vem perdendo competitividade no próprio terreno e isso vem a se refletir nos resultados.

Conclusão

Muitas vezes o que o pessoal se sente mais confortável definindo alguma forma numérica para saber se a empresa está boa ou ruim, e subvaloriza o fator governança. Eu prefiro focar mais na analise da governança, primordial pra mim é ver se a empresa possui uma boa governança os número servem apenas como complemento.

Agosto de 2014 – Dividendos recebidos

Agosto de 2014 – Dividendos recebidos

dividend-payout-ratiosEste sem dúvida para mim é sempre o melhor post do mês, eu fico muito feliz em saber que estou caminhando para alcançar a minha meta anual de dividendos que é R$ 6.000,00 de dividendos em 2014, o que me prejudicou foram os 3 primeiros meses do ano que tiveram dividendos pífios, já os outros meses foram dentro da média.

Esse mês recebi o primeiro dividendo do FII Parque D. Pedro (PQDP11) e FII RB Cap I (FIIP11B) onde fiz a compra em Julho, com isso guardada as devidas variações mensais que ocorre os meus rendimentos de FII ficam na casa de 382,00 por mês.

Também caiu os dividendos de algumas empresas:

  • Banco do Sergipe – BGIP4 – Esse banco vem me deixando muito preocupado, seus números vem piorando nos últimos 4 anos, tudo bem que tivemos um momento de dificuldades no setor financeiro, mas isso já foi superado pela grande maioria dos bancos, mas o BGIP continua parado no tempo, alias parado não regredindo, margem bancária em queda, está aqui um sério candidato a sair na minha revisão de carteira.
  • BMF Bovespa – BVMF3 – Pra mim continua na mesma, empresa com bons lucros, FCL positivo, com dinheiro em caixa para um possível investimento, sem dividas. Pessoal reclama muito da BVMF mas é porque ainda não viram os agentes de investimentos dos outros países como NYSE, NASDAQ, Bolsa de Tokyo, etc. Estou preparando um post em que analiso esse setor empresa por empresa, tanto dos USA, quanto Europa e Asia. Você vai se surpreender em como a nossa Bovespa é bem administrada comparada a outras empresas do mesmo setor.
  • Parana Banco – PRBC4 – Estou satisfeito com esse ultimo balanço apresentado, a empresa conseguiu apresentar um excelente resultado, eu vinha acompanhando o esforço da administração na redução dos custos e no programa de crédito. O banco ainda tem muito a crescer e está indo no caminho certo, explorando novas áreas isso muito me alegra como sócio apenas comparando essa administração com a do BGIP enquanto que na crise o BGIP não moveu uma palha no sentido de tentar diversificar, oferecer novos produtos aos clientes, expandir as atuações já o PRBC4 correu na contra mão do BGIP.
  • Totvs – TOTS3 – Pra mim a Totvs será uma das grandes empresas nesse país, eu acredito que o negócio que a empresa está inserida é muito rentável, os números da empresa estão melhores a cada ano, lucro crescendo, margem e LPA também crescendo, com um Payout histórico na casa de 50% mostrando que a empresa tem consciência que precisa investir bastante, acompanhei as ultimas aquisições da empresa e ala tem ficado com um apetite violento para novas aquisições, destaque nesse ano para a compra da IDEIASNET. Nem tudo são flores agora é o momento que o investidor deve tomar mais cuidado, pois é nessas horas de alavancagem que a empresa pode crescer em lucros ou se detonar com dividas, apesar de que até agora ela vem usando o dinheiro de caixa para as aquisições, mas é muito importante ir acompanhando de perto o plano da empresa e verificar se essas aquisições estão gerando caixa para empresa.
Agosto de 2014 - Receita com dividendos BVMF
Ativo Cód Valor
FII AESPAR AEFI11 R$ 4,70
FII AG CAIXA AGCX11 R$ 14,06
FII BB PRGII BBPO11 R$ 20,32
FII BMBRC LC BMLC11B R$ 11,62
FII BC FUND BRCR11 R$ 29,29
FII CX CEDAE CXCE11B R$ 14,32
FII MTGESTAO DRIT11B R$ 18,72
FII OURINVES EDFO11B R$ 11,68
FII GALERIA EDGA11B R$ 17,26
FII EUROPAR EURO11 R$ 26,00
FII ANH EDUC FAED11B R$ 17,44
FII RIOB RC FFCI11 R$ 14,74
FII RB CAP I FIIP11B R$ 13,87
FII S F LIMA FLMA11 R$ 41,39
FII CSHGSHOP HGBS11 R$ 27,60
CSHG JHSF PRIME OFFICES  HGJH11 R$ 9,40
FII CSHG LOG HGLG11 R$ 17,40
FII HG REAL HGRE11 R$ 23,20
MAXI RETAIL  MAXR11B R$ 43,45
FII D Pedro PQDP11 R$ 6,42
BANESE BGIP4 R$ 49,01
BMFBOVESPA BVMF3 R$ 54,69
PARANA BCO PRBC4 R$ 42,50
TOTVS TOTS3 R$ 22,68
Total   R$ 551,76

 

Acompanhe na pagina com as atualizações dos rendimentos mensais e veja como anda a evolução da minha carteira.

Veja como funciona os dividendos no EUA.

Mercado de imóveis no Brasil: Não estamos na bolha

Mercado de imóveis no Brasil: Não estamos na bolha

corretorHoje faz seis anos do aniversário da crise de 2008, em 15 de setembro de 2008 foi quando teve o anuncio da quebradeira do Lehman Brothers. Bem passado 6 anos podemos nos questionar sobre o que podemos aprender com a história e o que podemos trazer de aprendizado para o nosso mercado brasileiro.

Eu estou lendo atualmente um livro voltado para crises: “Oito séculos de delírios financeiros” dos americanos Reinhart e Rogoff o livro é muito técnico mas bem interessantes para aqueles que querem entender um pouco sobre as crises. Ainda estou na parte das crises soberanas o certo seria escrever esse artigo depois de ler no livro sobre as crises financeiras, mas dado ao aniversário da crise de 2008 resolvi antecipar o post.

Primeiro precisamos entender como ocorreu a crise de 2008 nos USA. O mercado de imóveis americano é totalmente diferente do mercado brasileiro, como disse um amigo, por lá é possível ganhar dinheiro de verdade com alugueis.

O que vou colocar abaixo é baseado nas observações de um amigo que investe e trabalha como corretor no mercado americano, que inclusive foi pra lá alguns meses antes da crise..

O mercado americano

imagem.dllSe aqui no Brasil podemos usar uma média de 0,5% do valor do imóvel como base para alugueis esse percentual no mercado americano vai de 1.0% a 1.5%. Toda essa rentabilidade somada ao crédito fácil foi o combustível ideal para a crise explodir.

Muitas pessoas que tinham um pouco de conhecimento financeiro começaram a pegar empréstimos a juros muito baixos para comprar casas e em seguida as disponibilizava para aluguel. No começo foi uma maravilha, o próprio cara que pagava o aluguel era quem bancava o financiamento do imóvel, com isso você disponibilizava apenas uma pequena entrada e o inquilino ia pagando o imóvel pra você.

Muitos desses inúmeros pequenos investidores alavancaram, ou seja pegavam dois ou três financiamentos simultâneos contando que o mercado permaneceria aquecido por muito tempo. Acontece que com o tempo os bancos começaram a ceder credito para esses inquilinos que estavam pagando alugueis para os pequenos investidores. Com isso os inquilinos deixaram as casas e preferiram hipotecar uma casa própria. O resto da pra você ir imaginando.

Essa meu amigo que comentei no inicio havia comprado uma casa de U$ 500 mil dólares a uns 6 meses antes da crise, duas semanas depois do crash a casa estava avaliada em menos de U$ 200 mil e ele teve que entregar a casa para o banco pois não conseguiria pagar o financiamento, foi mais ou menos assim o drama por lá.

O mercado brasileiro

A uns anos que venho escutando que o mercado brasileiro está com uma bolha imobiliária, que vai haver uma crise nos imóveis como ocorreu nos USA.

mercado_de_financiamento_residencial

Bem eu vejo o mercado daqui totalmente diferente do cenário da crise americana de 2008, é preciso entendermos primeiro o momento em que estão os dois países. No Brasil o crescimento dos preços culminou principalmente com ascensão da classe média, que foi motivado pela bom desempenho da economia do país nesses últimos anos.

O foco das pessoas que estão adquirindo imóveis aqui no Brasil não é para investimento como ocorreu na crise americana, mas as pessoas estão adquirindo imóveis para morar é algo totalmente diferente.

O cidadão que compra um imóvel alavancado para investimento, num primeiro momento de dificuldade ele vai deixar as prestações atrasarem, já um cidadão que acabou de ascender financeiramente e resolve adquirir um imóvel ele não vai deixar aquela prestação da casa dela em atraso tão simples quanto um investidor deixaria. Muitas vezes esse imóvel é o único patrimônio que a família possui.

Portanto eu não vejo a mesma ameaça de crise sistêmica nos preços dos imóveis como ocorreu no USA.

Eu entendo que os preços estão alto e acredito que não veremos esse boom nos preços novamente, visto que a própria economia desaqueceu e não tem caras de que voltará aos patamares anteriores tão cedo. Todavia também acho que os preços não vão cair, eu acredito que os preços irão se estabilizar e voltarão aos crescimentos e ajustes inflacionários mais normais como era no passado.

Nem tudo são flores no mercado comercial

No texto acima eu abordei o mercado residencial de imóveis, agora quanto ao mercado comercial a coisa é outra, nesse segmento eu acredito que vai sofrer um pouco mais que o mercado residencial, motivo que tanto ao crescimento da oferta quanto a queda na demanda nessa área foi muito maior comparado proporcionalmente ao setor residencial.

Durante a ultima década houve uma fúria construtora, em 2012 e 2013 os lançamentos somaram 25 bilhões de reais, maior volume da história. Cidades, principalmente no Nordeste, que tinham apenas alguns parcos edifícios começaram a receber empreendimentos modernos. No Rio teve um mesmo cenário porém ligeiramente diferente, pega-se a revitalização da zona portuária que foi prometido milhão de metro quadrado de escritórios de alto padrão, inclusive o bilionário americano Donal Trump encabeçando a lista de investidores.

O segmento comercial é bem mais cíclico que o residencial, teve uma perspectiva para entrada de novas empresas no país, aumento do consumo nos shoppings centers, coisas que não ocorreram por conta da fragilidade econômica, por isso que podemos constatar que a taxa de escritórios vagos passou de 13% para 18% no ultimo ano.

Então quer dizer que vai acontecer igual aos USA, tudo virar pó em alguns meses ?

Calma lá ! É preciso entender quem investe nesses imóveis comerciais no país, veja bem boa parte deles são construídos por bilionários, não são construturas brasileiras, vamos a um exemplo:

Na Faria Lima foi construído o edifício Pátio Malzoni inaugurado em 2012 tinha o metro quadrado mais caro do país para aluguel. O valor pedido era 240 reais. Até hoje está com uma torre de 19 andares vazia, os interessado querem pagar 180 reais por metro, você acha que o dono está preocupado, nem pensar… os donos são um grupo de bilionários árabes que só disseram que alugam apenas quando o preço voltar a subir.

E o mercado de FIIs

Lógico que nem todos os investidores são bilionários árabes, muitos não podem se dar ao luxo de esperar dias melhores, como é o caso de muitos FIIs então esses tem que ir se ajustando ao mercado, tanto que as cotas de FIIs caíram drasticamente de 2013 para os dias de hoje e a tendência é que encontre um ponto de equilíbrio bem próximo das perspectivas econômicas do país.

imov-com-res-fundos-2010-ate-jun-2014-valorizacao

Por isso é importante analisar bem os FIIs que está adquirindo para não pegar Fundo podre, evitar FIIs que estão em desenvolvimento, procurar FIIs com boas localizações e inquilinos de confiança e diversificar e a palavra chave para diminuir os riscos.

Todo os investimentos tem seus riscos cabe a nós sabermos gerenciar.

imov-com-res-fundos-2010-ate-jun-2014-retorno-total-1024x707

 

Fonte gráficos: Money Academy

Passo a passo remessa ao exterior pelo HSBC Internet Banking

Passo a passo remessa ao exterior pelo HSBC Internet Banking

386859-Dollar-1338471757-838-640x480Conforme reportei na minha ultima compra eu fiz uma remessa ao exterior utilizando o Internet Banking, antes eu fazia via telefone pois o valor era superior ao limite via internet, depois fiz uma remessa via agente autônomo e por fim agora fiz uma remessa via Internet Banking do HSBC.

Restrições

Não é permitido transferir mais do que U$ 3.000,00  por dia e um limite de U$ 15.000,00 ao longo de 30 dias.

Custos

Taxa de R$ 40,00 + IOF + Spread de Dolar (geralmente em torno de 1.8%)

Sobre os dados do Just2Trade dê uma olhada nesse artigo que tem todas as informações que você vai precisar para realizar o procedimento abaixo.

Passo a Passo

1 – Acesse sua conta no Internet Banking e clique em “Outros Serviços”

2 – No menu ao lado direito localize “Serviços Internacionais” – “Enviar Ordem para o Exterior”

3 – Na tela de envio da ordem primeiro adicione um favorecido clicando no botão “Incluir”

ordem exterior

 

4 – Preencha os dados da Just2Trade ou da sua corretora.

Importante: No campo NOME você deve colocar o nome da corretora e seu Account Number na corretora, não deixe para colocar o Account Number apenas na observação da ordem porque pode ser que a Corretora não consiga visualizar o que você digitou nessa observação, por isso é muito importante já informar aqui o seu Account Number.

ORDEM EXTERIOR 2

5 – Com o favorecido incluído no Internet Banking, selecione-o e clique em CONTINUAR.

6 – Preencha os dados da ordem conforme abaixo:

ordem exterior 3Dica:

Na parte de Despesas de envio ao exterior de preferencia deixe marcado “Eu pago.” porque daí os impostos e taxas são debitados na conta separado e você vai ter a garantia que seu dinheiro irá cair certinho exatamente no valor que você informou.

 

 

NYSE: Compras Setembro 2014 – AFL

NYSE: Compras Setembro 2014 – AFL

9465085-largeEsse mês seguindo o planejamento de diversificação da carteira, enviei uma remessa para o exterior de R$ 2.200,00 a diferença foi que descobri que é possível transferir pelo HSBC via Internet Banking a quantia de até R$ 3.000,00 diários, com uma taxa de R$ 40,00 e o spread padrão de 1,8% era tudo o que eu precisava de reduzir a cada mês o meu custo de remessa de dinheiro ao exterior. Confira aqui uma tabela com as opções vigentes no mercado.

Voltando ao nosso tópico a empresa que adicionei no meu portifólio esse mês foi a Aflac Inc -AFL, veja dados abaixo sobre a operação:

Compra de setembro de 2014 na bolsa americana
Empresa Código Qtde
Aflac Inc AFL 16

Já atualizei a minha carteira com essa nova aquisição.

Aflac Inc – AFL

American Family Life Assurance Company of Columbus, para os mais íntimos apenas Aflac rsrsrs… ficou como a melhor seguradora durante 3 anos consecutivos, atualmente caiu para a terceira posição, veja que a pesquisa mediu o nível de satisfação dos clientes e se tratando de seguradoras se manter como a melhor por 3 anos num mercado tão concorrido como o americano é um feito para poucas.

Em 2012 ela apareceu na lista das empresas mais admiradas do mundo pela 11ª vez na revista Fortune.

Se acompanharmos os números da empresa podemos ver um crescimento da receita nos últimos 10 anos de 16% a.a.

A empresa vem mantendo um crescimento da margem operacional e esse ano passado a margem atingiu o seu maior índice em 10 anos, alcançando 20%.

Outra coisa que me chamou a atenção é que a empresa possui um Payout baixo e mesmo assim ela conseguiu aumentar o pagamento de dividendos por 31 vezes seguidas, da pra imaginar o que é isso? Ou seja o investidor vem recebendo mais dividendos a quase 8 anos consecutivos.

O LPA – Lucro por ação (EPS) quase que triplicou em 10 anos, tudo isso somado, mostra o reflexo de uma boa administração que soube conduzir a empresa até mesmo na crise de 2008 quando algumas seguradoras grandes quebraram como a AIG, lógico que são seguradoras de mercados totalmente diferentes, mas uma coisa é fato a Aflac passou bonito pela crise.

Os objetivos de crescimento da empresa são sintetizados em dois itens, conforme consta no site de RI da empresa:

  1. Continuar a expandir nossa linha de produtos.
  2. Concentrar nosso crescimento no nosso sistema de distribuição de agentes de seguros independentes e corretoras de seguros.

Como a empresa diz a estratégia é bem simples, o que me agrada muito eu sou adepto do ditado que diz: “o diabo está nos detalhes”.

dados aflac 2014

A empresa possui cerca de 3/4 de sua receita proveniente do mercado Japonês, mesmo assim operacionalmente não parecem existir impedimentos sérios para o crescimento da Aflac no Japão, visto que existe uma pressão demográfica do envelhecimento da população e os recursos governamentais limitados para despesas de saúde sugerem que os japoneses vão continuar a precisar da cobertura dos seguros.

Eu acho que o maior desafio da empresa está em se firmar no mercado americano, visto que esse mercado ainda tem uma expressão muito baixa nos resultados da empresa. Desenvolver novos produtos e melhoras os canais de vendas no mercado americano são o caminho para o crescimento.

Acredito que a Aflac junto com a Visa foram as duas compras que trouxe-me maior satisfação, eu vejo que as empresas tem um mercado muito bom para crescer e ambas são muito bem administradas.