BVMF: Compras Fevereiro 2016 – HGLG11

 

imagesMeu aporte na bovespa foi proveniente dos dividendos, alias mandei só R$50,00 pra completar e comprar duas ações. O aporte foi destinado a um FII seguindo minha estratégia que venho tomando desde outubro quando aportei pela ultima vez em uma empresa brasileira.

Meu aporte esse mes foi para o CSHG Logistica (HGLG11) como já havia comentado nesse vídeo tenho evitado FII de escritórios e focado em fundos que forneçam contratos atípicos. Minha ideia é manter uma segurança nos proventos ao invés de focar em alto retorno de yield.

Fundos de escritório terão dificuldades na hora de fazer o reajuste dos seus alugueis, e com o cenário atual muitos fundos de escritório terão que manter o valor dos alugueis, isso pros que tiverem sorte, pois boa parte terá que reduzir para não perder o inquilino.

No longo prazo um fundo não conseguir nem cobrir a inflação nos reajustes é algo muito ruim, soma-se a isso o fato dos escritórios sofrerem bem mais com uma taxa de vacância dado que a oferta desse tipo de imóvel está bem maior que os demais.

O HGLG11 é um fundo de logística com 119 unidades locáveis em 8 empreendimentos. A taxa de contratos atípicos é de 42% dos contratos, não é o melhor dos mundos mas a diversificação de inquilinos e imóveis acaba compensando.  A taxa de vacância está em 0,59% ou seja praticamente não existe isso demonstra a qualidade dos imóveis do fundo. No mais para quem está em busca de um fundo de logística HGLG11 pode ser uma opção a ser avaliada.

Compra de fevereiro de 2016 na bolsa brasileira
Empresa Código Qtde
CSHG Logistica  HGLG11   2

Já atualizei a minha carteira com essa nova aquisição.

BVMF: Compras Novembro 2015 – CXCE11B

cedae-taxa-esgotoEsse mês tive um aporte bem pequeno, boa parte reflexo dos gastos da viagem que comentei no mês passado, ver aqui. Já tinha separado uma grana o mês passado mas esse mês que ocorreu o gasto, fiz uma viagem ao Paraguai para atualizar meus Macs e Iphone, fiz até um vídeo de dicas para aqueles que se interessarem em ir lá fazer compras.

Tinha programado gastar lá ao todo uns 10 mil reais, acabou que ainda voltei com 2 mil reais pra casa, como está em dólar resolvi não converter visto que em abril capaz de precisar usa-los. Por conta dessa mudança de vida que vou realizar em abril meus aportes irão ficar comprometidos, principalmente os destinados ao trade de valor.

Compra de novembro de 2015 na bolsa brasileira
Empresa Código Qtde
FII Caixa Cedae  CXCE11B   2

Já atualizei a minha carteira com essa nova aquisição.

FII Caixa Cedae – CXCE11B

O fundo de investimento gerido pela caixa possui 1 imóvel locado para a Cedae no Rio de Janeiro, não é um ativo novo na minha carteira eu já tinha ele a um bom tempo, mas é um ativo muito bom, vamos ver alguns pontos de destaque dele:

cxce11b

  • Imóvel com contrato atipico de locação: isso é uma proteção  a mais para os investidores de FII, procure FIIs com contrato atípico, basicamente isso permite ao FII conseguir reajustar os alugueis a níveis da inflação, se você acompanhar as ultimas renovações de outros FIIs de escritórios que não possuem contratos atípicos vai perceber que os administradores, para não perde os inquilinos, estão reajustando os contratos a níveis abaixo da inflação. Isso quando  inquilino não cancela, num contrato atípico se o inquilino cancelar, deve quitar todas os alugueis até o final do contrato, ou seja torna a saída do inquilino praticamente impossível, dada a inviabilidade financeira no caso.
  • Fundo possui 100% do imóvel: outro ponto importante nas minhas analises é saber se o fundo possui 100% dos imóveis, dessa forma diminuiu a concorrência, uma vez que um fundo que tenha 50% do imóveis terá que brigar com os outros 50% para manter o inquilino. No caso de fundos com contratos atípicos pode-se ficar tranqüilo quanto a isso.
  • Bem localizado: o imóvel é bem localizado, numa região central com diversas outras empresas de grande porte ao redor.
  • Inquilino com baixo risco: Por ser uma empresa estatal as chances de quebrar são muito baixas, porém existe um risco enorme de atrasar os pagamentos, lembro que uma vez ocorreu um atraso, as cotas do fundo despencaram, talvez se o ativo não estivesse tão desbalanceado na minha carteira eu teria aguardado isso ocorrer novamente para fazer novos aportes.

O fundo só tem um fator contra que é o administrador, o fato é que a Caixa não tem expertise nem network no setor imobiliário não chega a ser algo negativo, mas certamente é algo preocupante.

Caixa CEDAE é um fundo típico daqueles que não vai lhe dar dor de cabeça, é só comprar e esquecer.

Pra finalizar deixar uma ultima mensagem de reflexão:

12299342_1013386428707872_8265276493033502028_n

 

 

BVMF: Compras Setembro 2015 – FAED11B FIIP11B RBRD11 BBPO11

rbrd11 - ampla sao goncaloConforme mencionei nesse post anterior, estou fazendo uma reestruturação na minha carteira de FIIs e a ideia e tirar aqueles ativos que considero um pouco mais frágeis e fortalecer posição naqueles imóveis que entendo ter a melhor qualidade.

Geralmente nesses posts de compra costumo falar em detalhe dos ativos que compro, mas dessa vez vou falar sobre os meus critérios para escolha de um FII, até porque já temos material desses FIIs no blog. Na verdade nem todos o RBRD11 é um FII novo na carteira, mas falo sobre ele numa outra oportunidade.

Eu não acredito que uma analise numérica nos FIIs que temos aqui no brasil seja muito produtiva, não valeira o esforço x retorno em levantar essas informações, visto que uma vez os FIIs brasileiros tender a não crescer, podemos contar aí no dedo os FIIs com gestão ativa por aqui, enquanto que no mercado de REITs isso é muito comum, o que acaba viabilizando uma analise dos números por lá.

Por isso acabo focando minha analise de FIIs mais nos aspectos qualitativos, visando pegar um FII que seja bem localizado e com um portifólio de qualidade. Os indicadores que tenho priorizado no aspecto qualitativo são:

  • Contrato atípicos
  • Qualidade dos imóveis
  • Boa localização
  • Qualidade dos inquilinos
  • Preço do M2 alugado
  • Possuir 100% dos imóveis

Vamos falar um pouco mais sobre cada fator de uma forma mais resumida, porém faço comentários extras no vídeo em anexo, no final do post:

Contratos atípicos

Esse modalidade de contrato apesar de possuir um rendimento menor que os contrato típicos traz uma camada extra de proteção na geração de caixa do fundo, protegendo ainda mais os cotistas. O problema é que conseguirmos essas informações de contratos é muito difícil, pouquíssimos fundos disponibilizam isso publicamente o que acaba forçando-nos a entrar em contato com RI.

Qualidade dos imóveis

A ideia é buscar fundos que possuam imóveis em bom estado de conservação, verificar se o fundo faz reservas de caixa para possíveis obras de melhorias. Eu gosto de fundos que estão sempre mexendo nos imóveis, por isso gosto de acompanhar os relatórios de obras.

Boa localização

Não adianta ter um imóvel excelente se não está bem localizado. O desafio para nós investidores e tentar identificar uma boa localização, muitas vezes não temos ideia de como é o mercado ao redor do imóvel, principalmente aqueles investidores que não vivem próximo do eixo SP-RJ onde se concentra a maioria das propriedades. Apesar do desafio devemos buscar mais informações sobre a localização. Talvez o histórico de troca de inquilinos seja um indicador a observar nesse caso.

Qualidade dos inquilinos

O ideal é que o fundo seja bem diversificado em inquilinos, mas nem sempre isso será possível, principalmente se observarmos a regra dos contratos atípicos. Caso tenha uma concentração em poucos inquilinos devemos verificar quais são os inquilinos, o que eles fazem se serão afetados por possíveis crises.

Preço do M2 alugado

Medir o preço do M2 alugado não é um fator que me faz tomar a decisão de sair ou entrar em um Fundo, mas gosto de calcular isso para entender melhor como o FII está posicionado em relação a média de preços do mercado. Faça uma tabela e guarde esses dados para poder consultar no futuro e ir acompanhando, algo com o que tenho abaixo:

m2

Possuir 100% dos imóveis

Estou buscando fundos que sejam donos de todo o empreendimento, por exemplo uma torre de 10 andares, se o fundo tem 2 andares e tem um dos inquilinos negociando para renovar o contrato de aluguel com o fundo. Esse inquilino pode muito bem negociar também com os outros donos dos demais 8 andares, com isso dificulta a renovação por parte do fundo e pressiona o mesmo a abaixar o preço do aluguel. O fundo possuindo 100% do imóvel diminui drasticamente o poder de negociação do inquilino e torna o fundo mais poderoso na renovação e remarcação dos alugueis.

Vale ressaltar que alem desses fatores listados acima, é importante também olhar outros pontos de igual importância como o Administrador do fundo, taxa de vacância, duração dos contratos, vencimento dos contratos, enfim tem algumas outras informações que podem agregar qualidade na sua analise.

Veja abaixo como era antes a minha carteira de FII:

FIIs por setor

Veja como ficou agora minha carteira de FII:

 

 

FII carteira atuals

O setor de Escritório – Gestão Ativa foi zerado e o setor de Varejo passou a ter a maior parte da carteira, a ideia no futuro é focar Varejo, Agencias e Educação como principais, eventualmente fazer aportes a nível de diversificação em Logistica, Hotel, Shopping, Escritórios e Residencial.

Compra realizada em 21 e 25 de Setembro.

Compra de setembro de 2015
Empresa Código Qtde
ANAHNGUERA EDUCACIONAL FAED11B 21
RB CAPITAL RENDA I FIIP11B 21
RB CAP RENDA II RBRD11 66
BB PROGRESSIVO II BBPO11 28

Já atualizei a minha carteira com essa nova aquisição.

Perspectivas do mercado de FII

No vídeo abaixo faço uma síntese de tudo que falei acima, além de ter alguns comentários sobre o mercado de FII que fiz exclusivamente no vídeo:

 

Receber novidades por e-mail

Gostou do blog? Então se inscreva no campo abaixo para receber as atualizações via e-mail e curta nossa pagina no Facebook.

BVMF: Vendas Setembro 2015 – BMLC11B EDFO11B BRCR11 HGRE11 DRIT11B HGJH11

brcr11Resolvi diante do cenário atual do país, fazer uma reestruturação do meus ativos na carteira de FIIs, a ideia era trazer um pouco mais de qualidade para a carteira, como fiz a uns anos atras na minha carteira ações onde retirei aquelas que possuíam, na minha visão, um case de negócio mais fragilizado e adicionei algumas outras fechando a carteira apenas com as empresas que achei que possuíam o melhor case. Lembrando que mesmo assim não é algo definitivo, eventualmente alguma outra empresa pode entrar ou sair da carteira dependendo dos resultados e perspectivas de mercado.

A minha carteira de FIIs tinha uma exposição muito grande no setor de escritório, como acredito que seja também a da maioria dos investidores, visto que o setor é um dos mais expressivos no mercado de FIIs. Desde quando montei a minha carteira existia essa preocupação da exposição em excesso nesse setor, mas por falta de opção e por ainda não conhecer bem o mercado de FIIs optei, por precaução, diversificar para minimizar os riscos.

FIIs por setor

Depois de um tempo estudando e acompanhando alguns FIIs já comecei a ter alguma base e fui montando uns parâmetros para definir melhor a escolha dos ativos, sobre esses critérios vou falar no post de compra dos novos FIIs. Por hora aqui vou colocar algumas perspectivas minha sobre o mercado de FIIs e em especial o setor de escritórios. Abaixo uma lista com alguns fatores que combinados motivaram a minha mudança na carteira de FIIs.

O bom momento nas cotações de FIIs

IFIX VS IBOV

Em se tratando de ações quem me conhece aqui do blog sabe que para investimento no longo prazo com aportes mensais eu não me preocupo muito com o preço que estou pagando, pois isso no final das contas não afeta em nada os investimentos nessa etapa de acumulação de patrimônio. Veja sobre isso aqui.

Em se tratando de FIIs a história é totalmente diferente, isso porque por uma série de motivos que não vamos nos ater aqui no momento, os FIIs não crescem como as ações eles tendem a ficar lateralizado por um longo período de tempo. Então sim! Para eles é importante o preço que você está pagando e a imagem acima foi um dos motivos de realizar essa estruturação da minha carteira nesse momento, os FIIs estão bem deslocados das ações como pode ser visto no gráfico, com os FIIs em azul e ações em vermelho.

Claramente é possível ver que mesmo diante de um cenário de instabilidade que estamos esperando nos próximos anos até o momento os FIIs não vem sofrendo como as ações, o que não consigo entender pois pela atual conjuntura o mercado deveria estar sofrendo como um todo, talvez o pessoal esteja migrando para os FIIs por acha-los um investimento mais conservador e menos volátil que as ações, o que até certo ponto é verdade.

Taxa de juros Brasil e dos Estados Unidos

taxa de juros

Não da pra entender como a taxa de juros subindo da forma que está e as cotas dos FIIs ainda não estão indo no sentido contrario, enfim talvez seja um bom sinal que o pessoal está deixando de fazer giro de patrimônio, veja sobre isso aqui, e passaram a entender mais sobre investimentos de longo prazo, ou talvez seja justamente um giro de patrimônio das ações para os FIIs como eu citei acima.

O gatilho inicial que motivou a estruturação na minha carteira nem foi o cenário atual da taxa de juros brasileira, mas sim o futuro dessa nossa taxa de juros. O catalizador disso foi o anuncio por parte do FED que irá aumentar as taxas de juros, quando Janet Yellen anunciou que iria aumentar a taxa independente do cenário econômico global.

Se está achando os juros no Brasil elevado é porque você ainda não viu o que vai acontecer quando os USA começarem a aumentar a taxa de juros no mercado americano, por ser uma assunto mais demorado eu comento sobre ele no vídeo em anexo no final do post.

Sobre um aumento da taxa de juros americana pode ser ruim por um lado, mas bom por outro. Venho estudando sobre REITs justamente para quando o mercado americano começar absorver essa elevação dos juros poder começar a montar a minha carteira de REITs, mas isso é coisa pro ano que vem, nesse ano vamos focar nos estudos.

Perspectivas do setor de escritórios

vacancia

Esse talvez seja o principal motivo da minha reestruturação, entendo que o mercado de escritórios vai sofrer muito mais que os demais mercados nesse ciclo econômico que estamos passando, claro todos os setores sofrem na crise, mas o setor de escritório vai se agravar por conta da entrega de novos estoques.

Veja no gráfico acima como em 2014 e inicio de 2015 tivemos um forte crescimento na entrega de estoque, e pelos analistas ainda teremos outra pancada, mas não tão grande quanto a de 2014. Termos um excesso tremendo de oferta enquanto que justamente estamos passando por um momento de baixa demanda, não precisar ser gênio pra adivinhar o que vai ocorrer com os contratos de alugueis e a taxa de vacância.

inventario

Eu fico me perguntando, até quando vai durar esse ciclo econômico ruim a ponto do mercado começar a aquecer e retomar a absolvição dos novos estoques ? Não existe uma resposta exata, mas vejo que se o governo estivesse fazendo um ajuste econômico certo, talvez em 2 anos o país voltasse a crescer, mas não é isso que temos visto, talvez estejamos na famosa década perdida, eu falo mais sobre essas perspectivas no vídeo em anexo no final deste post.

Uma coisa é fato em se tratando de imóveis nem todos enfrentam crise, na maior crise imobiliária da história, em 2008 nos Estados Unidos, os imóveis no Texas, se não me engano,  cresceram enquanto todos os outros estados tiveram uma queda acentuada nos preços. Ou seja a conjuntura especifica daquele estado favoreceu e fortificou a sua situação de forma que parece que 2008 não existiu para eles. Tinha alguns prédios no coração de NY que independente da crise de 2008 mantiveram os alugueis e a sua valorização em alta. A crise pode ser um bom momento para identificarmos esses imóveis excepcionais, certamente é uma oportunidade única que teremos nos próximos anos.

Vendas realizadas em 15, 21, 22, 23 e 25 de Setembro.

Venda de setembro de 2015
Empresa Código Qtde
BM BRASCAN LAJES  BMLC11B 29
EDIFÍCIO OUROINVEST EDFO11B 7
BTG PACTUAL CORP BRCR11 29
CSHG REAL ESTATE HGRE11 2
MULTIGESTAO RENDA COM DRIT11B 24
CSHG JHSF PRIME OFFICES HGJH11 1

Já atualizei a minha carteira com essa nova venda.

Perspectivas do mercado de FII

No vídeo abaixo faço uma síntese de tudo que falei acima, além de ter alguns comentários sobre o mercado de FII que fiz exclusivamente no vídeo:

Receber novidades por e-mail

Gostou do blog? Então se inscreva no campo abaixo para receber as atualizações via e-mail e curta nossa pagina no Facebook.

BVMF: Compras Agosto 2015 – HTMX11B – BBDC3

size_810_16_9_bradescoComeçando o mês já fiz o meu aporte na bolsa brasileira, estava na duvida se colocava a grana nos FIIs ou se aportava nas ações, na dúvida fiz um pouco das duas coisas.

Sou uma pessoa cheia de manias e toks, uma das coisas que me incomodam é ter lotes fracionados das ações, por exemplo tinha 200 ações do Bradesco e em Março eles fizeram um split e acabei ficando com 240 como estava querendo comprar uns FIIs também optei por arredondar o Bradesco e o restante aportar nos FIIs.

Como sempre faço um comentário sobre o ativo que estou adquirindo, mas o HTMX11B comprei o mês passado então como é mais recente não teve nenhuma variação nesse meio tempo, se ainda não leu verifique aqui uma analise desse FII.

Sobre o Bradesco não tem como deixar de comentar a sua ultima aquisição no mercado. A compra do HSBC por 5,2 bilhões de dólares, o mercado não viu como uma boa noticia, tanto que as ações do Bradesco recuaram com força no dia do anuncio da aquisição.

Para o mercado o Bradesco pagou um preço além do que valia a operação, também achei isso, mas essa foi um tipo de aquisição que o vendedor não tinha tanta necessidade de vender, apesar do HSBC ter anunciado a intenção de vender, ele não estava em nenhum processo de falência a ideia dele era “se livrar” das operações que não tinham lucratividade como a do Brasil e da Turquia, comentei sobre isso no meu post de venda das minhas ações do HSBC.

Nesse caso como não existia um “desespero” para vender era natural o comprador pagar um prêmio para comprar os ativos o Bradesco teve que concorrer contra 3 outras instituições de peso Itau, Santander e até um banco chinês, o Industrial & Commercial Bank of China.

Além do mais  a comprar a meu ver vai trazer mais ganho de posicionamento no mercado do que de resultados financeiros, se o Bradesco perdesse essa oportunidade seria difícil alcançar um crescimento de outra forma, pela quantidade de market share que ele possuía não teria como crescer mais abrindo agencias o caminho agora é só através de aquisições.

bradesco

A carteira do HSBC tinha bastantes clientes premium e corporate e isso pode ser um nicho interessante para o Bradesco que visa expandir nesse sentido. Outro fato é que o Bradesco conseguiu incluir na jogada a seguradora que se não me engano não estava na oferta inicial, por isso até que teve esse acréscimo no pagamento, alias nesse pacote tem a HDI e SulAmerica que fazem vendas de sus seguros pelo HSBC, quem tem ações ações dos alemães ou da SulAmerica ficar atendo pois deve ter um impacto caso o Bradesco não continue com a parceria de pelo menos 5% na receita.

O lucro recorrente estimado para as opressões do HSBC Brasil nesse ano está na casa de R$ 1,2 bi e de acordo com o Bradesco os resultados só serão sentidos no balanço de 2017 pois 2016 deve ser neutro, as operações do HSBC Brasil não eram ruins o problema era que o banco foi mau administrado aqui.

Só pra ter uma ideia o lucro por agencia do Bradesco foi mais que o dobro do valor alcançados nos pontos de atendimentos do HSBC. Além disso o índice de eficiência do BBDC foi 24% maior que o do HSBC, agora imagina a eficiência e competência do pessoal do Bradesco aplicado nas agencias do HSBC, a tendência é que o negocio tenha ótimos frutos. Vamos aguardar pra ver.

Compra realizada em 3 de Agosto.

Compra de junho de 2015
Empresa Código Qtde
FII Hotel Maxinvest HTMX11B  9
Banco Bradesco SA BBDC3 60

Já atualizei a minha carteira com essa nova aquisição.

Receber novidades por e-mail

Gostou do blog? Então se inscreva no campo abaixo para receber as atualizações via e-mail e curta nossa pagina no Facebook.

BVMF: Compras Julho 2015 – EDGA11B

 

Seguindo a tendência de dar uma reequilibrada na minha carteira de FII fiz a aquisição de mais cotas do EDGA11. Como eu já comprei antes esse fundo se quiser saber mais sobre seu portifólio basta olhar essa tag EDGA11B.

As analises mensais de FII são sempre mais simples, são ativos que não mudam muito, portanto esse será um post curto. Vale ressaltar apenas as obras previstas no Edifício Galeria, nada que afete muito o pagamento de rendimentos.

edga

No mais é um FII com um ótimo imóvel, no centro nervoso do Rio, bem diversificado em inquilinos e com baixa vacância. Um FII sem grandes surpresas o imóvel do FII é muito bem localizado refletindo no seu histórico de baixo nível de vacância, mesmo em momentos mais difíceis.

Compra realizada em 02 de julho.

Compra de junho de 2015
Empresa Código Qtde
FII Edifício Galeria   EDGA11B  31

Já atualizei a minha carteira com essa nova aquisição.