Mentalidade empreendedora

14
220

Vamos falar da importância de se criar uma mentalidade empreendedora e mostrar exemplos de adolescentes que começaram a empreender desde cedo. Conheça essas histórias de garotos que tocar seu próprio negócio. Veja o que esses garotos aprenderam e que lições nós podemos tirar disso.

Saiu no Wall Street Journal um post sobre adolescentes empreendedores nos Estados Unidos e o que podemos aprender com eles.

É impressionante como nos Estados Unidos a garotada é estimulada a criar uma mente empreendedora, enquanto isso aqui no Brasil os professores estão preocupados a ensinar alunos a colocar camisinha 😠 com a boca.

Como o brasileiro tem uma cultura para inibir o trabalhador

É muito comum os jovens americanos trabalharem durante o verão. Coisa que no Brasil muitas vezes existe um preconceito contra isso. É impressionante as vezes como muitos brasileiros conseguem ser arrogantes a ponto de beirar a idiotice, vou comentar isso no vídeo abaixo, vale a pena parar a leitura para acompanhar.

Aqui vamos mostrar alguns estudantes empresários e as lições que tiraram do seu negócio e da vida.

Diego Bennett

Status: Do Condado de Suffolk em NY o adolescente está no ensino médio.

Negócio: Shop the Flux

Receita: $4.500 desde a abertura em 2016.

Lucro: $4.000

Seu business

Bennett começou um site de moda online dirigido junto com seus amigos da geração Z. Os usuários preenchem perfis e tem recomendações para roupas através de um e-mail mensal sob encomenda. Inicialmente, os clientes comprovam no site e eles ordenavam o pedido ao fabricante. A fabrica então enviava diretamente aos compradores. O site colhia uma comissão entre 2% a 15%.

Lições aprendidas

É fácil ficar sobrecarregado: Dedicar tempo ao negócio significou menos tempo para a escola, diz Bennett, assim suas notas caíram drasticamente nos seus primeiros e segundos anos. Eles também não estavam preparados para os problemas tais como queixas e devoluções para o fornecedor, fazendo com que perdessem várias comissões. “Foi um pesadelo” diz Bennett. “Eu fiquei sobrecarregado”.

Simplificar o processo: No verão passado Bennett mudou o modelo de negócio. Ele ainda recebe comissões, mensalmente variando de $200 a $500, mas os clientes compram diretamente do fornecedor. Isso abriu muito mais tempo para escola: “Estou feliz com minhas notas”, disse Bennett.

Anthony Mollo

Status: adolescente do ensino médio num condado de Michigan.

Negócio: Rescue Lawn Care

Receita: $17.000 desde meados de 2018.

Lucro: $8.700

Seu business

Mollo trabalha aparando grama durante o verão desde quando estava no ensino fundamental, dando um total de $4.000 de lucro. No final de 2017 ele decidiu ver o quão longe poderia levar o seu negócio. Ele gastou cerca de $200 em cartões postais e acabou conseguindo tantos clientes que precisou de contratar outros 10 estudantes ao longo da temporada.

Lições aprendidas

Fazer uma boa estimativa: No início, Mollo era péssimo em projeções e estimativas, não conseguia antecipar as coisas que poderiam dar erradas. Por exemplo, em sua estimativa inicial, ele constava com o tempo para comprar e desembalar as gramas, entre outras coisas. O trabalhou acabava levando mais tempo e custando mais do que ele esperava.

Os clientes se recusavam a pagar quando a fatura era maior que o acordo verbal, o que levou a perder 20% das receitas. Agora, ele diz, que faz mais perguntas para desenvolver uma estimativa de custo do serviço e construiu uma reserva de contingência para o inesperado.

Sharanya Pogaku

Status: Adolescente do curso de Ciência, Matemática e Engenharia de Nova Jersey.

Negócio: Spill the Tea

Receita: $3.000 desde que iniciou em 2017

Lucro: $2.000

Seu business

Pogaku ama chá asiático. Como parte de projeto de Clube de Empreendedorismo na escola ela e seus parceiros desenvolveram um dispensador portátil para 🍵 chá de bolhas.

Até o momento desse artigo não sabia o que era isso, mas já fiquei com vontade 😋 de experimentar pelas fotos.

Construir esse tipo de maquina requer um bom capital, então elas resolveram instalar a maquina, e vender os chás em eventos locais.

Lições aprendidas

Ser exigente com os parceiros: O grupo participou de um evento de angariação de fundos e concordou em doar parte dos seus lucros. Mas o evento não foi bem planejado ou divulgado pelo patrocinador e poucas pessoas compareceram. “Foi um dia terrível” ela relembra. Depois disso, a equipe faz mais pesquisas antes de entrar confirmar presença nos eventos.

Preços elevados podem realmente ajudar: Inicialmente os alunos vendiam cerca de $1 e as pessoas acabavam não comprando porque achavam que não era bom, pois o preço estava muito barato. Depois elas aumentaram para $2 a bebida e as coisas começaram a se animar, ainda sim estar bem abaixo dos $5 dólares cobrado nos cafés.

Bridgette Kim

Status: adolescente de ensino médio em Maryland.

Negócio: tutoria.

Receita: $8.900 iniciou em 2016.

Lucro: $7.500

Seu business

Kim começou a tutoria em matemática e ciência, durante as férias de verão. Ela inicialmente ajudou estudantes do Ensino Médio e depois mudou seu foco para colegiais cobrando $20 por hora.

Lições aprendidas

Estar preparado para sacrificar: Quando dois alunos queixaram-se que eles não foram ajudados com a sua tutoria, Kim desenvolveu uma política de reembolso do dinheiro, devolveu-lhes $40 para cada.

No final, os alunos continuaram com ela. Um disse a Kim que inicial não acreditou que a tutoria poderia ajuda-lo e não estava prestando muito atenção. O outro aluno ela passou do limite de tempo e não cobrou nada.

Adaptar ao cliente: Quando Kim viu que os estudante estavam perdendo a concentração, ela modificou sua abordagem. Depois de explicar a lição ela pediu aos alunos para resumir para certificar-se d que entenderam o material. Ela também identificou que sessões de mais de uma hora não geravam bons resultados, diz Kim que com 70 a 75 minutos as crianças começavam a cair no sono.

Conclusão

Espero que você não tenha dormido até aqui 😄 e aconselho a assistir o vídeo pois serve de bom complemento ao conteúdo deste artigo.

O legal dessas histórias que não são negócios megalomaníaco que vemos a mídia postar, como esse: que um adolescente brasileiro toca um negócio de 100 mil reais de receita por mês.

Tá na cara que isso é um pai-trocínio. É por isso que a #GloboLixo vai falir não tem uma reportagem que presta naquele lixo, é um assunte a inteligência de telespectador.

Esses dias fizeram uma outra reportagem de um guri que tinha feito um app e um fundo de investimento tinha aportado milhões no app do garoto. Aí fui pesquisar o Fundo era dos pais do guri 😱 assim é fácil receber milhões pelo seu negócio.

Os exemplos dos americanos s˜ão mais reais. São casos que você vê que são tocados pela própria gurizada. Então por isso achei legal trazer e compartilhar essas experiencia com vocês, não tem essas baboseiras de 😂 empreendedor quântico.

Recomendo assistirem nossa série que trata sobre o nosso negócio.

14 COMMENTS

  1. Ótimo artigo VDD, quais blogs ou site você acompanha fora do Brasil?

    to iniciando um blog, gostaria que adiciona-se a sua lista de recomendados ,já add o seu a minha. Abraço.

    • ola MaM

      eu basicamente leio os balanços das empresas e tem um post que postei uma lista d livros de contabilidade e economia que recomendo

      ta adicionado aqui.

  2. Olá, VDD.

    Parabéns pelo vídeo.
    Eu sempre tive vontade de ser empresário e acabei entrando no serviço público. Só que ultimamente estou de saco cheio do meu trabalho e no futuro vou ser empresário. No momento estou me preparando e também deixar o medo de lado.

    Abraços!

    • fala CI

      empreender é sempre bem arriscado, o medo sempre tem que existir ele te fará pensar racionalmente, o que ocorre que vejo muita gente as vezes empolgada com as ideias e que o negócio vai dar certo, claro o cara tem que estar empolgado mesmo, até pq se ele mesmo não acreditar ninguém vai… mas o lance é que muitos as vezes olham só o lado bom da coisa e negligenciam os problemas, entao o medo te ajudará nisso

      no mais sucesso na empreitada, seja qual for :)

  3. Aquele menino do pai_trocinio é filho do Joao Kepler, maior investidor de anjo e de startups do braziu… ele tem um livro por sinal muito bom: SmartMoney.

    • ola SR tava na cara que não era aquilo que a reportagem pintava,

      veja bem só pra deixar mais claro que talvez no post eu não tenha aprofundado nisso eu não estou criticando o fato do pai dele investir no negócio, isso não tem problema,

      a minha indignação é com a reportagem que pinta a experiencia do guri como se ele tivesse tocando o negócio do zero sem nenhum apoio de alguém experiente por trás, oq é um assunte a inteligência do telespectador ou leitor.

      Aí o noob vê aquilo que o guri está faturando 100k por mês (coisa que tb duvido desses números pela quantidade de clientes que ele tem) e se encanta com esse conto do vigário

  4. Fala, Vdd. Beleza?
    Cara, eu atualmente estudo pra concurso mas nunca abri mão de deixar a cabeça aberta para o empreendedorismo. Até pq de dez projetos falhos, se um estoura vc pode ganhar mais que o concurso em si. Uma coisa que você falou eu achei sensacional, as pessoas acham que para empreender precisa de muito dinheiro mas não é bem assim. Comecei a ler um livro chamado startup de 100 dólares e a cabeça começa a explodir de ideias, ainda mais eu que acompanho o primo rico e o Érico Rocha. Eu ando na rua e tento ver oportunidade de dinheiro em tudo que é lugar. uma coisa que eles falam é que tem que executar, parar de só planejar. E é a maior verdade. Espero até o final do ano despontar em algum projeto paralelo aqui
    Abraço

    • ola DfL

      eu sempre falo q ter a receita do bolo não quer dizer que o cara vai conseguir fazer o bolo, as vezes o cara fica tão preocupado com a receita que esquece de fazer o bolo que é mais importante.

      tem que por em pratica eu falo sobre isso num podcast que não me lembro o numero mais :)

  5. Eu nunca pensei em empreender. Sempre fui desencorajado a entrar nesse tipo de coisa. A mentalidade da minha família é ganhar no máximo 2 salários e casar cedo. Até que comecei a me interessar pelo assunto e olhar várias empresas que foram criadas do zero e estão mudando tudo. Decidi que assim que entrar na faculdade de medicina vou passar a maior parte do tempo procurando formas de empreender.

    • ola O

      não é só sua família não kkkkk bem vindo ao clube

      trabalhar como médico já é empreender, ao fazer seus estudos vc primeiro está empreendendo em você, depois não pode é se formar e ir bater ponto num hospital, vc precisa de criar seu próprio consultório e tem muitos caminhos para empreender nessa área, falamos aqui do curso alem da medicina que visa justamente criar esse espirito empreendedor nos formandos dessa área.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here