Como medir a quantidade de dias para empresa pagar suas compras

Artsyl-Data-Document-Capture-Forms-Processing-and-Classification-Software-for-Accounts-Receivable-Accounts-Payable-AP-AREsse é o terceiro artigo de uma serie de quatro, onde iremos analisar e estudar indicadores que mostrem um ganho/perda da eficiência de uma empresa. Conforme falamos no artigo anterior onde mostramos como medir o giro de estoque de uma empresa, nesse artigo vamos descobrir como medir a quantidade de dias para empresa pagar suas compras.

Days Payable Outstanding – DPO

O DPO é usado para medir quanto tempo uma empresa leva pra pagar suas faturas com os fornecedores. Diferente do que vimos nos outros dois indicadores de eficiência nesse quanto maior melhor.

Quanto mais tempo uma empresa leva para pagar suas compras é melhor, assim ela terá mais dinheiro nas mãos, melhorando o seu fluxo caixa. Claro que isso é relativo ao fato de que a empresa não obtenha nenhum desconto a mais pagando num prazo mais curto.

Além disso o fato de uma empresa ter prazos muito longos nem sempre será muito positivo, as vezes os fornecedores não conseguem estender esses prazos em momentos de dificuldades o que pode ser comprometedor num futuro com uma economia um pouco conturbada.

formula dpo

Para calcular o DPO é só pegar o Custo dos Produtos vendidos  dividir pela quantidade de dias, depois dividir o contas a pagar do período pelo resultado da divisão anterior.

Colocando em prática

Para calcular o DPO é só ir no site da empresa pegar o balanço anual e retirar duas informações:

  • Custo dos produtos vendidos no DRE
  • Contas a Pagar no Balanço de patrimônio na parte de Passivos

Veja abaixo um exemplo da Ambev, pegamos custo e o estoque no balanço de resultados do 4T14 conforme imagens:

Contas a Pagar no Balanço de Patrimônio
Contas a Pagar no Balanço de Patrimônio
Custo dos Produtos Vendidos no DRE
Custo dos Produtos Vendidos no DRE

Ficar atento pois precisa de pegar os dados do anual, algumas empresas colocar o dado do trimestre e depois ao lado o anual. Com os dados em mãos vamos jogar na formula:

  • Dividir o Custo dos produtos vendidos por 365 dias
    12.814,6 / 365
  • Dividir o valor de Contas a Pagar pelo resultado acima
    8.708,7 / 35,11
  • DPO = 248,05

Com isso podemos concluir que a AMBEV tem um prazo de pagamento com os fornecedores de 248 dias a partir da data da compra.

Se levarmos em consideração no nosso primeiro estudo sobre eficiência onde vimos que ela leva em média 29 dias para receber suas vendas, bem temos uma boa relação aí nesse quadro. Mas vamos analisar isso um pouco mais a fundo no nosso ultimo artigo, por hora vamos dar uma olhada em como anda a concorrência, vejamos os dados da Coca-Cola.

Contas a Pagar
Contas a Pagar
custo vendas DRE
custo vendas DRE

Jogando os dados da Coca na formula temos um DPO de 42,62 ou seja a Ambev consegue um prazo muito maior que seu concorrente, enquanto a Coca consegue pagar suas compras com 42 dias a Ambev paga com 248 é um número e tanto.

Aqui vale observar que no caso da Coca, exceto por esse 2014 que teve uma leve melhora no DPO, de modo geral ela vem diminuindo esse indicador desde 2010. É importante observar nesse caso se o custo dos produtos vendidos vem caindo. Se ele não tiver caído, significa que ela não está baixando esse prazo para negociar um custo menor, mas sim está perdendo eficiência. No caso da Coca o custo dos produtos vendidos vem caindo no balanço mas por conta da queda na receita e não na diminuição do custo de aquisição.

Conclusão

Vale lembrar novamente que quanto maior o DPO é melhor, diferente dos outros indicadores. É importante comparar o DPO dos concorrentes e também acompanhar o histórico da empresa ao longo do tempo, para medir se a mesma, vem obtendo eficiência na gestão do contas a pagar.

Saber comprar é o primeiro passo para se obter o sucesso, o poder da marca ajuda bastante nos resultados de uma empresa, mas a habilidade e eficiência nas compras pode ser um fator fundamental nos momentos que a empresa estiver com o caixa mais curto.

Um dos mestres nesse arte foi Sam Walton o dono do Wall-Mart, inclusive recomendo a todos a leitura da sua biografia. No caso Sam certa vez disse que o lucro do WMT não estava no momento da venda, mas sim no momento da compra. Comprar bem e certo é fundamental para sobrevivência de qualquer empresa, especialmente as ligadas ao varejo.

Twitter

Recentemente ativei o Twitter aqui do blog se tiver uma conta siga-nos. A ideia com ele era criar um canal para prover notícias, tenho objetivo de postar as principais notícias que leio pela manhã, portanto se quiser ficar atualizado com algumas notícias do mercado está aí uma boa opção, veja abaixo um exemplo:


Receber novidades por e-mail

Gostou do blog? Então se inscreva no campo abaixo para receber as atualizações via e-mail e curta nossa pagina no Facebook.

Como medir o giro de estoque de uma empresa

what-you-need-know-managingEsse é o segundo artigo de uma serie de 4 artigos, onde iremos analisar e estudar indicadores que mostrem um ganho/perda da eficiência de uma empresa. Conforme falamos no artigo anterior onde mostramos a quantidade de dias que uma empresa leva para receber suas vendas, nesse artigo vamos descobrir como medir o giro de estoque de uma empresa na bolsa de valores.

Day Sales of Inventory – DSI

O DSI é usado para medir o tempo que uma empresa leva para vender um produto, contabilizando desde sua produção até o momento que ele deixa de ser um estoque para se transformar numa venda. Quanto menor esse indicador melhor, com isso mostra a capacidade da empresa de transformar matérias-primas em dinheiro.

Novamente como em todos os indicadores de eficiência não existe um número magico para sabermos se a empresa está bem ou ruim. O importante nesse caso é observar a evolução histórica desse indicador para a empresa, e, se possível, compara-lo com os concorrentes. Por exemplo empresas que vendem produtos perecíveis, como as do ramo de alimentos, tendem a ter um giro de estoque mais curto do que as que vendem bens de consumo ou de baixa rotatividade, como carros.

A formula para calcularmos o DSI é:

dsi formula

 

Paga-se o Valor de Estoque do ano anterior soma com estoque do ano atual e dividir por 2 pra achar a média, depois divide o Custo das Vendas pela quantidade de dias geralmente 365, por fim divida os resultados.

Colocando em pratica

Para calcular o DSO é só ir no site da empresa pegar o balanço anual e retirar duas informações:

  • Custo dos produtos vendidos no DRE
  • Estoques no Balanço de patrimônio

Veja abaixo um exemplo da Ambev, pegamos custo e o estoque no balanço de resultados do 4T14 conforme imagens:

estoque
estoque no balanço patrimonial
custo vendas
custo de vendas no DRE

Ficar atento pois precisa de pegar os dados do anual, algumas empresas colocar o dado do trimestre e depois ao lado o anual. Com os dados em mãos vamos jogar na formula:

  • Somar o estoque 2013 +  estoque 2014 / 2
    2.835,7 + 3.411,3 / 2
  • Dividir o resultado pelo Custo dos produtos vendidos pelos dias
    12.814,6 / 365
  • Resultado da divisão 1 pela divisão 2
    3.123,5 / 35,11
  • DSO = 88,96

Com isso concluímos que o giro de estoque da Ambev é de quase 89 dias, vamos dar uma olhada em outra empresa do setor de varejo para termos uma ideia se esse giro da Ambev está bom ou ruim.

Pegamos no 10-K da Coca-Cola:

inventario balanço patrimônio
inventario balanço patrimônio
custo vendas DRE
custo vendas DRE

Jogando os dados da Coca na formula chegamos a um DSI de 65,06.

Com isso podemos concluir que a gestão de estoque da Coca é bem superior a da Ambev, apesar disso a Coca vem perdendo eficiência nos últimos anos, na verdade os produtos da Coca vem encontrando dificuldades de aceitação em alguns mercados consumidores, alguns países os consumidores tem entrado na modinha de preferir bebidas mais “saudáveis”. Enfim isso é assunto pra outro post, voltando ao histórico de DSI da Coca podemos observar que nos últimos anos saiu de um DSI de 57 para 65.

Como tudo na bolsa não existe uma regra universal, uma empresa pode manter o DSI em níveis baixos e nem sempre pode ser positivo, as vezes a empresa pode indicar deficiências na produção, assim como também um numero muito grande pode sugerir excesso de produção, pouca aceitação no mercado dos produtos. Nessa analise é fundamental entender o case de negócio da empresa e fazer as comparações históricas para ter uma métrica e tentar entender o equilíbrio do estoque com as demandas de mercado.

Vou citar aqui um exemplo pratico, um pouco parecido com o contexto, recentemente fiz um post descendo a lenha na diretoria da Tractebel porque os caras tinham feito uma política de retenção do estoque para vender no semestre seguinte, ou seja durante um tri eles ficaram com DSI nas alturas mas aproveitaram a forte demanda que vinha no próximo período, ou seja quebrei a cara pois a estratégia da empresa se mostrou certíssima. O que quero mostrar é que se não conhecer o case de negocio da empresa pode acabar interpretando os dados de forma incorreta.

Conclusão

Podemos dizer que a analise do giro de estoque é vital para a maioria das empresas e especialmente importante para empresas de varejo ou aquelas que vendem bens físicos. A taxa de rotatividade de estoque é um excelente indicador para medir o nível de eficiência de uma empresa em manter o equilíbrio de seu estoque com sua demanda de vendas.

BVMF: Compras Maio 2015 – ABEV3

AMBEVportfolioEsse mês deu pra fazer um aporte nos exterior e outro aqui na minha carteira bovespa.

Ambev publicou o resultado esse mês e veio excelente ela é uma empresa muito anti-cíclica em meio a todas as dificuldades do mercado a empresa conseguiu um resultado maior que o ano anterior.

Aumento na receita de 14% com destaque para a operação da America Central com crescimentos de +26% olhando os pares dela no USA como Coca-Cola (KO) que tem enfrentado algumas dificuldades a Ambev se mostra mais uma vez uma empresa muito bem administrada.

Esperava que o cambio tivesse um impacto negativo um pouco maior no seus resultados, teve até um impacto no CPV mas foi por pressões inflacionarias aqui no Brasil.

Enfim resultado melhor do que o esperado, não gosto de ficar procurando pelo em ovo pra mim é só alegria. Ambev é o tipo de empresa que se quiser comprar não pode nem olhar o preço justo calculado pelo DFC ela sempre vai estar com a margem negativa.

Compra efetuada em 04 de maio.

Compra de Maio de 2015 na bolsa brasileira
Empresa Código Qtde
Ambev SA ABEV3 200

Já atualizei a minha carteira com essa nova aquisição.

 

BVMF: Compras Agosto 2014 – ABEV3

ambev fabQue saudade de fazer a compra da ação de empresa listada na BVMF, tinha passado os primeiros meses desse ano restruturação a minha carteira de FII e depois em seguida comecei meus investimentos na bolsa americana, tinha alguns meses que não fazia um aporte na minha carteira de Ações da BVMF. Bem depois de tanto tempo resolvi pegar os dividendos que havia recebido o mês passado para realizar um aporte novo, enviei mais 1k da minha conta para compra dois lotes fechados de 100.

Não tem nada a ver, mas eu me sinto incomodado em ter lotes fracionados das ações, isso não faz a menor diferença, eu sei disso! Parece mais algum Toc meu do que qualquer outra coisa.

Compra de agosto de 2014 na bolsa de São Paulo
Empresa Código Qtde comprada
Ambev S.A.  ABEV3 200

Já atualizei a minha carteira com essa nova aquisição.

Ambev S.A. – ABEV3

Eu já vinha namorando a ação a um bom tempo, mas sempre acabava prorrogando a compra pois ora aparecia algum problema a ser resolvido ora alguma outra oportunidade mais interessante. Aproveitei que esse mês já tinha efetuado uma compra no mercado americano da maior empresa de bebidas (Coca-Cola) e resolvi aportar na Ambev que possui o segundo maior Market Share no nosso território. O legal de aportar nas duas empresas que você tem quase a garantia que qualquer brasileiro que consuma uma bebida doce ou alcoólica, você sairá ganhando.

pizza3

Bem pelo gráfico acima é possível ver que o mercado de bebidas ainda é algo que pode crescer, mas não no mesmo ritmo que acompanhamos nesses últimos anos, a grande esperança é a parte de bebidas mais naturais, coisa que ainda não está muito enraizada na cultura de consumo do brasileiro.

Acho que no mercado Brasileiro apesar da Ambev estar bem confortável, ela vem enfrentando dificuldades em manter o ritmo de crescimento dos últimos anos. Se olharmos o crescimento dos lucros da empresa em 10 anos, ele está em 29% anuais, se olharmos o crescimento nesses últimos 5 anos, esse percentual caí para 11%. Acredito que ela ainda tem espaço para crescer aqui dentro, mas não tão agressivamente como antes.

A empresa comprou os principais concorrentes na sua trajetória, o que lhe permitiu um monopólio em boa parte das bebidas, principalmente cervejas que é um dos grandes produtos de consumo do brasileiro, mas está na hora de começar a mirar com mais força o mercado externo.

pizza22

Eu já comentei dos problemas que a Coca vem enfrentando no mercado Europeu e Americano, dê uma lida no artigo sobre ela para saber mais, eu gostei bastante da política que o pessoal da Coca vem tomando para buscar o desenvolvimento de novas marcas voltadas para um foco mais naturalista, a Ambev parece estar seguindo a mesma linha nesse mercado e começou a mexer seus pauzinhos. Nesse mês de agosto a empresa anunciou a construção de um centro de pesquisa no RJ voltado para desenvolvimento de cervejas e refrigerantes mas também de chás, isotônicos e energéticos.

Bem olhando para os números da empresa não temos nem o que reclamar o lucro saiu de R$ 1.162 bilhão em 2004 para R$ 11.890 bilhões em 2013, mostrando que a diretoria fez o seu dever de casa e muito bem feito. A dívida vem caindo e hoje é 6% do patrimônio, sendo que se levarmos em conta o caixa da empresa podemos considerá-la praticamente sem dívidas.

Tive uma dificuldade em pegar o LPA da ação porque depois que ela mudou de código a BVMF apagou todo o histórico que tinha do código anterior, então tive que recorrer a bolsa de Nova York, então não dá pra garantir muita precisão aqui mas o LPA em 2003 foi de R$ 0,07 e em 2013 foi de R$ 0,75 ela conseguiu aumentar o tamanho comprando os concorrentes mas sem diluir os capital dos sócios atuais, o que é um ótimo sinal.