Avaliar ação com Fluxo de Caixa Descontado – DCF

cash flowInvestir no mercado de ações não é lá uma tarefa muito simples, exige um bocado de paciência e dedicação para com o tempo aprender a avaliar melhor as empresas. De modo geral a primeira preocupação do investidor iniciante é como mensurar o preço de uma ação, muitos perdem horas e horas garimpando no mercado em busca de uma “grande oportunidade”.

Particularmente eu não gosto muito dessa historia de ficar gastando tempo garimpando empresas em busca de uma ação barata, na verdade se olhar minha carteira de ações vai perceber que tenho muitas empresas que estão sendo comercializadas com o preço acima do valor justo.

Hoje no mercado temos uma grande diversidade de métodos para fazer valuation e determinar o valor justo de uma ação, claro todos eles tem seus pontos fortes e fracos. Uma armadilha muito comum nesses métodos é que boa parte deles prometem formulas magicas, muitos investidores ao aprender um método querem usá-lo para todos empresas, existem empresas que tem performances diferentes e assim devem ser analisadas. Não podemos usar o mesmo método de precificação de uma empresa de crescimento de dividendos para uma que não distribui dividendos, simplesmente não vai funcionar.

Muitos investidores utilizam o indicador de P/L para avaliar se uma empresa está acima ou abaixo do valor justo, pra mim é um dos piores indicadores para se avaliar uma empresa, isso porque o preço que negociamos por uma empresa na bolsa é sempre sobre as expectativas futuras e o P/L é engessado em informações  do passado, considera eventos não recorrentes, entre muitos outras deficiências. Minha recomendação é esquecer esse indicador pois na pratica não vai lhe ajudar em nada na construção da sua carteira.

O primeiro passo antes de partir para o estudo da precificação é definir um conjunto de metas e regras para se investir, veja aqui. Escreva isso num papel e cole ao lado da sua mesa de forma que todas as vezes que for comprar uma empresa tenha a certeza que passou por todos os seus crivos, claro com o tempo você pode ir mudando-o a medida que sua experiência e conhecimento no mercado vão aumentando. Esses termos não devem ser engessados mas também não devem mudar a cada fase da lua.

Limitações do método

O único ponto que devemos observar antes de avaliar uma empresa com o DCF é certificar se a empresa em analise possui lucros previsíveis, ou seja esqueça empresas cíclicas ou aquelas que estejam passando por momentos incertos nas taxas de crescimento. O ideal seria pegarmos empresas que apresentam um crescimento constante nos resultados isso torna a empresa previsível nos crescimento de lucros.

Por exemplo as empresas que por qualquer motivo tiverem algum prejuízo dentro de 10 anos podem ser consideradas imprevisíveis e não devemos utilizar o DCF para calcular o seu valor justo.

Também deve-se utilizar apenas números recorrentes, é importante retirar do cálculo os crescimentos de lucros oriundos de eventos não recorrentes no balanço.

Na teoria

formula dcf

Os indicadores que utilizo no cálculo do DCF são:
– Tangible Book
– Taxa de desconto
– Fluxo de Caixa Livre por ação
– Taxa de crescimento não recorrente atual
– Taxa de crescimento final.

Tangible Book a formula padrão utiliza o valor patrimonial da empresa, mas eu não gosto de usar pois nele tem o Goodwill que não vale nada quando uma empresa é liquidada por isso utilizo o Tangible Book que nada mais é que o Patrimônio liquido retirando-se o intangível depois divide-se pelo total de ações em circulação para saber o valor de Tangible Book por ação.

Taxa de desconto: essa taxa é o percentual que você estipula para investir seu dinheiro numa ação em detrimento de outro investimento. Alguns usam uma taxa média de retorno do mercado de algum índice estilo IBOV, S&P500 ou mesmo uma taxa de juros para renda fixa.

Gosto de usar uma taxa de 10% para empresas americanas e 12% para empresas brasileiras comentei sobre a taxa de descontos nesse post onde expliquei com calcular o valor intrínseco para empresas de crescimento de dividendos. Sobre isso não é nada arbitrário cada investidor define um parâmetro que lhe deixa mais confortável, mas sugiro algo em torno de 10–20%.

Fluxo de Caixa Livre por ação: é possível utilizar três parâmetros, alguns investidores utilizam o LPA (lucro por ação), outros usam o FCL (fluxo de caixa livre por ação) e alguns casos pode-se usar o EBITDA por ação.

Algumas empresas que tem forte resultado financeiro eu acabo utilizando o LPA ao invés do EBITDA, um exemplo seria seguradoras onde o resultado financeiro a grosso modo pode ser considerado como parte do resultado operacional o que acaba me levando a escolher o LPA no calculo de DCF.

Warren Buffett utiliza DCF em suas analises pegando o caixa liquido gerado a partir do negócio, considerando despesas não caixas, como depreciações e amortizações menos despesas de manutenção de caixa em equipamento e propriedades (CAPEX) o que é algo muito próximo do Fluxo de Caixa Livre (FCL) de uma empresa.

De modo geral deve-se conhecer o case de negócio da empresa pra discernir se seria melhor usar o FCL, EBITDA ou o LPA.

Taxa de crescimento: esse é o grande calcanhar de Aquiles da formula determinar a taxa de crescimento dos lucros mais próxima da realidade é fundamental para o acerto no cálculo.

O período que utilizo é de no mínimo 10 anos então pego o crescimento dos últimos 10 anos e aplico como taxa de crescimento para os próximos 10 anos. Verifico se a tendência dos últimos 5 e 1 ano é de alta ou de baixa, se for de alta mantenho a taxa se for de baixa tento uma “média” dos 3 períodos para depois determinar a taxa de crescimento dos próximos 10 anos.

Também deve-se ter uma preocupação com a taxa final de crescimento que deve ser menor que a taxa inicial pois de modo geral os lucros das empresas tendem a se estabilizar depois de determinados anos de crescimento, afinal nenhuma empresa no mundo conseguiria crescer pra sempre. Nesse ponto eu coloco uma taxa bem mais conservadora para os próximos 10 anos seguintes ao período anterior com isso compreendo 20 anos de taxa de crescimento dos lucros.

Colocamos tudo isso junto para chegar na tão esperada margem de segurança. Uma vez que determinamos o valor justo e o preço da ação sempre temos basta diminuir um pelo outro para achar a margem de segurança da ação.

Uma armadilha muito comum para investidores de valor é comprar uma empresa que acredita ter um desconto mas não perceber que esse desconto do preço justo se deve a uma deterioração do seu case de negócio. Por isso é muito importante manter além de uma analise quantitativa aprimorar sua analise qualitativa que pra mim essa é a analise mais importante.

Na prática

Vamos pegar um exemplo de estudo utilizando ações de uma empresa que tenho na carteira a GAP INC – GPS, pra facilitar vamos pegar o lucro por ação na analise, primeiro levantamos os dados:

Dados GPS
Indicador Valor
Preço atual $ 38,22
LPA 2015 $ 2,87
Cresc. LPA 5 anos 12,68 %
Cresc. LPA 10 anos 9,02 %
Taxa de desconto 11%
Tangible book $ 6,44

Eu gosto de utilizar a taxa de crescimento dos 5 anos nos primeiros 10 anos e depois utilizar a taxa de 10 nos últimos 10 anos, isso quando a empresa apresenta um crescimento maior nos últimos 5 anos do que nos últimos 10, se o case de negócio está se deteriorando utilizo o crescimento menor no primeiro período e depois dou mais um desconto na taxa para o período final. Com todos os dados em mãos basta colocarmos na calculadora e ele nos dará o valor justo calculado.

DCF

Utilizando as informações que temos atualmente constatamos que a GAP Inc (GPS) está 43% abaixo do valor justo para a sua geração de lucro, hoje ela está cotada na bolsa a 38 dólares sendo que o justo deveria ser 67 dólares dando aí uma boa margem de segurança para o investidor que queira adquirir GPS.

Vamos fazer uma segunda analise de uma empresa brasileira no caso peguei o exemplo do ADR da Ultrapar Participações SA – UGP no caso da Ultrapar vou pegar o FCL dela pra termos uma ideia melhor de uma segunda opção de calculo, os dados são:

Dados UGP
Indicador Valor
Preço atual $ 21,91
FCL 2014 $ 0,92
Cresc. FCL 5 anos 14 %
Cresc. FCL 10 anos 8 %
Taxa de desconto 13 %
Tangible book $ 3,41

Colocando os dados teremos uma leve sobrevalorização das ações da Ultrapar. Tudo bem que são só 4% acima do valor justo, sinceramente eu até consideraria ela dentro do valor justo. A ideia de trazer o exemplo para visualizarmos as duas situações.

ultrapar dcf

Utilize o link a seguir para abrir a calculadora e avaliar ação com o fluxo de caixa descontado: link calculadora.

Como utilizo o método

No período que estou montando minha carteira de ações não me preocupo muito em comprar uma empresa acima ou abaixo do valor intrínseco, tanto que se pegar minha carteira de ações dos USA vai identificar diversas empresas que estão bem acima do valor justo, isso não me incomoda porque sei que para o pequeno investidor que realiza aportes mensais não faz diferença o valor de compra, além do fato que meu perfil de investimento é de buscar empresas excepcionais e com forte geração de caixa, não estou em busca de pechinchas.

Depois da carteira montada chega a hora de definir onde aportar, nesse momento é quando mais utilizo o DCF, faço meu aportes baseado no valor justo. Calculo a cada trimestre o DCF das empresas que tenho na carteira e vou aportando na que tiver o melhor preço justo.

Conclusão

O mais complexo na valuation de uma empresa utilizando o fluxo de caixa descontado é conseguir achar a taxa de crescimento futura correta, errar nessa hora vai te levar a uma avaliação incorreta. Existem alguns exercícios que podemos ir praticando que podem nos ajudar muito nossa experiência na precificação, mas isso é assunto para um próximo post.

Vale sempre lembrar que mais importante do que analisar o preço de uma ação é entender o case de negócio da empresa, nesse artigo deixo uma serie de dicas sobre como analisar melhor uma empresa. Espero que o artigo tenha lhe ajudado e se possível deixa um comentário com suas opniões são sempre muito importantes pra mim.

LINK CALCULADORA

 

Saiba mais informações sobre o DCF

Se você está chegando aqui pela primeira vez, saiba que temos uma revista educacional que explica como investir na bolsa americana, em cada edição falamos sobre um REIT e uma ação de empresa americana, além de trazermos um artigo premium. Na edição #4 da nossa revista falamos sobre o DCF, nessa edição trouxe informações que não divulguei aqui no blog, coisas bem pessoais explicando como eu utilizo o DCF nos meus investimentos, quais os parâmetros eu preencho em cada campo, entre outras coisas.

O material da revista é uma versão avançada do que oferecemos aqui no blog, tenho certeza que será de muito valia para seus estudos do mercado americano. Compre aqui a edição #4 ou veja aqui todas as nossas edições.

Um vídeo para complementar o assunto

 

[jetpack_subscription_form show_subscribers_total=0 title=”Receber novidades por e-mail” subscribe_text=”Gostou do blog? Então se inscreva no campo abaixo para receber as atualizações via e-mail e curta nossa pagina no Facebook.” subscribe_button=”Inscrever!”]

NYSE: Compras Abril 2015 – GPS – MANH

gapSeguindo a estratégia de investir em empresas de crescimento de dividendos comprei mais uma nova empresa, com essa faltam apenas duas vagas pra montar a lista de 24 empresas americanas na carteira, acredito que até o meio do ano eu esteja com a carteira fechada, aí vou fazer um balanço e ver onde devo aportar: se vai ser no mercado brasileiro ou americano.

Minha estratégia de aporte tem sido aportar na que estiver com o melhor range entre o valor intrínseco e o valor de mercado, claro que existe um bom senso em tudo, se uma empresa está despencando eu não vou sair comprando igual doido mês após mês, vou parar e ver o motivo da queda, se for reflexo de maus resultados daí só então decido se continuo aportando ou se coloco em quarentena.

Compra realizada em 22 e 27 de Abril respectivamente.

Compra de Abril de 2015 na bolsa americana
Empresa Código Qtde
Gap Inc  GPS 17
Manhattan Associaties MANH 33

Já atualizei a minha carteira com essa nova aquisição.

Gap Inc – GPS

Empresa líder no mercado de vestuário, com lojas de varejo espalhadas em mais de 48 países. Gap vende roupas para o publico masculino, feminino e infantil sob as marcas Gap, Banana Republic, Old Navy, Piperlime, Athleta e Intermix.

O grande fosso competitivo da empresa é a marca que tem seu peso no mercado de moda internacional. A empresa já mostrou que está sempre buscando melhorias, tanto que pra sobreviver com uma marca em destaque nesse mercado de moda não é lá uma tarefa muito fácil, acho que inclusive é um mercado muito mais competitivo e com muito mais upgrades do que o mercado de TI, basta apenas um ano dormindo no ponto para a empresa perder o fio da meada num mercado que muda de tendência a cada estação. Apesar de todas as dificuldades a empresa vem conseguindo gerar uma base saudável de vendas.

A empresa tem feito um esforço constante em aumentar seu Market Share com a abertura de novas lojas próprias ou por franquias que vem incrementando o crescimento das receitas e dos lucros. Gap tem aumentado suas operações para fora dos Estados Unidos, principalmente na China onde a empresa abriu 39 lojas nesse ultimo ano e essas lojas foram muito bem recebidas pelos consumidores chineses. Gap está planejando expandir ainda mais sua presença na China das  115 novas lojas programadas para abrir nesse ano de 2015, quase 40 serão abertas na China.

Um dos sucessos na Gap tem sido as novas lojas Omni-Channel que foram as lojas que tiveram o maior crescimento das vendas e o CEO inclusive destacou esse fato no webcast de 2014:

Ao longo de 2014, fizemos progressos significativos no espaço Omni-channel e estamos muito animados com a resposta dos clientes estamos empenhados para a implantação desse modelo em todas as nossas marcas na América do Norte, o mais rapidamente possível.

Olhando os números de Gap as receitas estão em 16 bilhões se pegarmos pelo panorama de 10 anos a receita se manteve estável, mas olhando pelos últimos 3 anos teve um crescimento de 4,15%. Acontece que a Gap sofreu bastante com uma reestruturação que passou em 2007 e teve resultados da receitas caindo até 2010 quando a administração conseguiu colocar as coisas novamente nos trilhos.

Os lucros por ação saíram de U$ 1,24 em 2006 para U$ 2,87 em 2015 mostrando um crescimento de 22% anualmente. Os dividendos no ultimo ano foram de U$ 0,88 com um payout de 30% relativamente seguro o que garante uma proteção na continuidade dos dividendos caso a empresa passe por algum momento mais conturbado.

Gap é uma pagadora de crescimento de dividendos à 10 anos com uma taxa de crescimento de 25,3% a cada ano.

Eu valorizo ações utilizando o modelo de desconto de dividendos com uma taxa de desconto de 10% e uma taxa de crescimento no longo prazo de 8.1%. Esta taxa parece justo pra mim, considerando o crescimento do lucro por ação da empresa em seu histórico, bem como o seu pagamento de dividendos. Ventos contrários no curto prazo podem causar um crescimento mais lento, porém acredito que essa é uma taxa de crescimento adequada quando se olha no crescimento para o longo prazo. E o índice de payout deve amortecer qualquer lentidão temporária. A analise DDM me dá um valor justo de US$ 46,32.

Essa compra adiciona US$ 15,64 anualmente na minha receita de dividendos  sobre um dividendos trimestral de US$ 0,23. Com o dólar do mês daria R$ 50,52

Manhattan Associates – MANH

Manhattan é o meu primeiro trade de valor, venho realizando aportes periódicos desde fevereiro deste ano e até o momento a empresa vem superando as minhas expectativas e a do mercado. Saiu essa semana os resultados do 1T15 os numeros ainda não auditados foram LPA de US$ 0,34 comparado com 0,26 do 1T14 um crescimento de +30% uma receita no 1T15 de 144 milhões de dólares frente a 113 milhões do 1T14 um crescimento de +27%

Os outros destaques que pude levantar foram:

  • Venda de 7 licenças de softwares de 1 milhão de dólares, primeira vez na historia da companhia que num único trimestre são vendidas 7 licenças de 1 milhão, pra entender o impacto disso precisamos levar em conta que ano passado inteiro eles fecharam 15 licenças de 1 milhão, nesse ano no primeiro trimestre já venderam metade dessa meta.
    Essas 7 licenças mostram a força da equipe de vendas contra os concorrentes e a qualidade do seu software que possui características únicas no mercado, principalmente sua capacidade de integrar a cadeia de logística com a de varejo.
  • Ao todo foram adicionados 11 novos clientes na carteira da Manhattan a grande maioria veio em busca de soluções a maior parte localizada no varejo sendo 1 na Europa, 5 nos EUA e 1 na America Latina.
    Best Buy, Harris Teeter, Keurig Green Mountain, Kramp Groep, Midas Group, Murphy-Hoffman, Paul Smith, Readerlink Distribution Services, Palco Stores, Thomas Cook Airlines, e Uline.
  • A empresa fez uma recompra de ações nesse primeiro tri de US$ 25 milhões de dólares e já anunciaram que irão dobrar o valor de recompra para 50 milhões.
  • Do lado negativo temos um forte impacto no fluxo de caixa livre da empresa, originado basicamente do pagamento de bônus e comissões referente aos resultados do ano anterior. Além do caixa parte do lucro foi impactado por conta da variação cambial, quem acompanha o dólar sabe que ele teve uma forte valorização nesse ano, não apenas no Brasil mas também na Europa e Asia e isso impactou muitas empresas no mercado Americano não apenas a Manhattan.

Omni-Channel: pra quem não sabe o que é Omni-Channel dê uma pesquisada porque isso é o futuro do varejo, veja que num único artigo citei duas empresas que estão direta e indiretamente se beneficiando desse novo modelo de negócio

Trade de Valor: Manhattan Associates Inc - MANH
DATA QTDE PREÇO COMPRA GANHO US$ GANHO R$ GANHO % US$ GANHO % VAL CAMBIAL
09/02/2015 73 48,99  US$115,34   R$ 373,70  12,17%  13,61%
09/03/2015  66 49,90  US$44,22   R$ 143,27  10,12%  10,41%
27/04/2015  33 54,55  US$13,20   R$ 38,54  0,73%  0,67 %
RESULTADO FINAL   172  50,41   US$781,58   R$2.282,21  9,01%  9,33%

Gostou do blog? Então se inscreva na barra ao lado para receber as atualizações via e-mail e curta nossa pagina no Facebook.

Gap Inc – GPS

gap storeGap é uma das marcas mais conhecidas do varejo de vestuário. A empresa foi fundada em 1969 por Don Fisher que resolveu abrir a primeira loja pois não conseguiu encontrar um par de Jeans que vestissem bem, na época não fazia ideia do que uma simples loja iria se tornar.

 

A empresa oferece toda a linha de vestuário, acessórios e produtos para cuidados pessoais para homens, mulheres e crianças sob as marcas Gap, Banana Republic, Old Navy, Piperlime, Athleta e Intermix.

O grupo conta com mais de 150 mil funcionários que trabalham com lojas próprias e sobre franquia além de possuir a loja on-line. Atualmente a Gap possui 375 lojas e mais de 400 lojas franqueadas em 48 países. A empresa tem forte presença no mercado asiático, foi a primeira companhia americana de vestuário a operar na China, tornando a China um dos seus principais mercados.

 

Veja como eu analiso as minhas empresas…

Veja mais artigos sobre a GAP Inc…

*Valores em U$