3 Segredos para alcançar a Independência Financeira

independência financeiraMuitas vezes na nossa caminha rumo a Independência Financeira nos preocupamos em analisar as empresas, medir o seu valor, saber se está caro ou barato pra comprar, enfim perdemos boa parte do nosso tempo estudando sobre isso.

Ter sucesso nos investimentos é relativamente simples, o problema é que gastamos muito esforço em tentar controlar o que não está à nosso alcance, como entender o animo do mercado, analisar balanços, fazer previsões.

Acabamos neglicenciando algumas coisas importantes e que estão sobre nosso controle. Vou mostrar nesse vídeo 3 segredos matadores pra que você possa alcançar a sua independência financeira com tranquilidade:

 

O pior fundo de investimento da história

MutualFundsVamos contar nesse artigo a história do pior fundo de investimento dos Estados Unidos. Veja quando ele foi formado, quem eram seus gestores, e o que fizeram de errado. Aprender com seus próprios erros é bom, mas aprender com os erros dos outros é muito melhor (ok é mega clichê isso). Estude os fracassos assim como se estuda os casos de sucessos, ambos tem muito a nos ensinar.

Já falei aqui antes que tempo de mercado é mais importante que timing de mercado. Quanto menos ruído escutar do mercado melhor será, mantenha sua atenção naquilo que você possa controlar, como:

  • Aumentar sua taxa de poupança ao longo dos anos
  • O tipo de investimento que você faz
  • O período de tempo que segura esses investimentos
  • Diversificar de forma organica sua carteira

falei do Voya Corporate que é um fundo passivo criado em 1935 e comprou 30 maiores empresas da época, nunca retirou e nem adicionou uma nova empresa. Moral da história o investidor que colocou 100 mil dólares na época hoje teria 18 milhões e renda de dividendos de 400 mil dólares por ano. Nada mau hein, enquanto isso você fica aí vendendo e comprando empresas tentando a todo custo bater o mercado. O fundo Voya superou o S&P500 com larga folga.

Já que vimos uns dos melhores fundos da história em ação, resolvi fazer o raciocínio contrario e pesquisar o pior fundo, depois entender porque ele se tornou tão ruim.

Ameritor Security Trust

O fundo Ameritor Security Trust foi iniciado em 1961 e fechado em 2011. Um investimento de U$ 10.000,00 (dez mil dólares) no findo no final de 1961, com dividendos reinvestidos, teria se transformado em míseros U$ 1.325,00 (Hum mil dólares) quando o fundo foi liquidado. Esse fundo cometeu erro após erro nesses últimos 50 anos.

ameritor

Pesquisando sobre o fundo, vai descobrir que veio da família Steadman que criaram um fundo em 1939. O fundo fui indo relativamente bem por 20 anos até que Charles Steadman assumiu o fundo em 1960. Veja aqui uma noticia no Money sobre Steadman.

pior fundo

Esses fundos acima foram chamados de  “Dead man’s funds” porque estavam sempre performando como os piores. O impressionante é que existem investidores presos a esses fundos até hoje, pelo menos os que sobreviveram. Os ativos em gestão no fundo saíram de 100 milhões de dólares na década de 70 para 8 milhões quando Charles Steadman faleceu. Na decada de 1990 o fundo teve seu nome alterado para Ameritor.

A grande maioria desses fundos citados acima você não vai achar dados, o Ameritor ainda tem algumas informações disponíveis graças ao Morningstar que tem mantido seus dados até hoje.

O que deu errado no Ameritor

A causa do fracasso desse fundo foi os dois últimos itens da nossa listagem feita acima sobre os fatores-chaves para o sucesso nos investimentos: Alta rotatividade, falta de diversificação. 

Com base nas informações de pesquisa, além disso podemos ver portfólios bastante concentrados.

O gestor do fundo constantemente, comprou e vendeu acções, resultando em altos custos de impostos sobre ganhos de capital. Isso ocorreu porque o gestor do fundo queria a todo tempo acertar o timing do mercado, tentar comprar no fundo e vender no topo.

Constantemente eles perseguiam as “ações do momento”, o que geralmente resultava no efeito contrario, comprava no topo e vendia no fundo. Se você constantemente, tentar acertar o topo e o fundo, você estará se auto-sabotando, porque estará matando os juros compostos.

Depois que Charles Steadman morreu na década de 1990, a sua filha assumiu. As taxas de administração continuaram elevadas e no final da história o fundo não entregou nada para seus investidores, quem ficou rico com isso tudo foi apenas os gerentes do fundo.

Os anos de bons retornos

Houve momentos onde o fundo fez algum dinheiro. Afinal quem nunca teve seus momentos de sorte tentando acertar o topo e fundo. Se pegarmos a cereja do bolo no Ameritor que seria entre 1974 a 2000 teríamos um ganho de 60 vezes o S&P500. No entendo, tomemos em conta o enorme risco que o fundo assumiu com o dinheiro dos investidores. Um investimento de 10 mil dólares em 1961 se o investidor tivesse saído no topo do fundo teria 452 milhões alguns anos mais tarde de investido o dinheiro.

Acredito que os dados desse fundo serão retirados da Morningstar dentro de alguns anos, pois uma vez que o fundo foi descontinuado é certo que saíra da base do Morgninstar. Portanto, nos investidores não teremos mais esses dados para aprendermos algumas lições importantes com o fracasso desse fundo.

Qual a moral da história?

O que eu quero trazer pra vocês, é que não devemos tentar achar o timing do mercado. Sempre estou a receber comentários aqui no blog, coisas nesse sentido como:

  • Viver não acha melhor mandar sua grana pra RF, disseram que é o melhor investimento do momento.
  • Viver você não se preocupa com essa alta da bolsa americana, me disseram que tem uma bolha lá.
  • Viver você não acha melhor vender a ação X porque já está cara, ou compra a ação Y porque está abaixo do valor justo.

Essas pessoas que pensam assim, não tem noção que estão perdendo todo o potencial dos juros compostos. Ao segurar uma ação estará economizando com gastos de impostos de ganhos de capital e recebendo dividendos crescentes por 20, 30 ou 40 anos.

Eles deixam de lado todas essas vantagens porque não querem sofrer qualquer diminuição em seu patrimônio liquido. No final, eles acabam aumentando seus custos, pagando mais impostos e perdendo mais dinheiro.

Essa armadilha é muito perigosa porque é algo que soa muito inteligente e convincente, pois temos as tendências de pensar sempre no curto prazo.

Claro que os investidores devem se lembrar que Buy & Hold não significa Buy & Forget, é preciso monitoramento dos seus ativos, vou fazer um post mostrando como acompanho minhas ações, o que devemos olhar, a hora de sair de um ativo, enfim fica pra próxima esse assunto. Até lá!

Tempo de mercado é mais importante que o timing de mercado

1912845_origHá tanta energia e tempo gasto pelos investidores, mídia e gurus em “adivinhar” o topo e o fundo do mercado, se estamos num mercado Bull ou Bear. É cansativo para mim assistir isso. Para ser bem sucedido nos seus investimentos, é preciso manter as coisas simples e seguir princípios de senso comum.

Você não precisa de saber o topo e fundo do mercado para ser bem sucedido nos investimentos. Você na verdade precisa, de ter bem definido seus objetivos e como vai alcança-los, desenvolver sua estratégia e continuar o plano através dos bons e maus momentos. Tempo de mercado é mais importante que o timing de mercado.

O tempo de mercado

O tempo de mercado será o seu maior aliado na bolsa de valores. Quanto mais estudo e observo aqueles que estão próximo a mim, fico mais convencido que não fazer nada é a melhor estratégia para o sucesso no longo prazo da sua carteira.

A lição que tiro é que não importa se estamos num mercado Bull ou Bear o objetivo do investidor deve ser conseguir aumentar os seus aportes e investir cada mês mais em ações de crescimento de dividendos de qualidade, depois reinvestir esses dividendos e aguardar pacientemente os próximos 20 ou 30 anos.

Enfatize o fator fosso competitivo na sua escolha, uma vez que empresas de boa qualidade são mais propensas a sobreviver ilesas a uma profunda crise e continuar pagando um crescimento de dividendos. Mesmo durante os cenários mais difíceis, você conseguirá manter essas empresas com você por décadas sem se preocupar.

Quando era menos experiente no mercado, queria adivinhar o timing do mercado, entrar no mercado em baixa, comprando empresas barato e depois vender em alta quando todo mundo queria comprar. Na realidade essa foi a estratégia mais tola que já tomei, não é atoa que isso junto com a sistemática de ficar acompanhando rentabilidade são os fatores que mais tiram investidores da bolsa.

As vezes lemos alguns livros de gênios como Warren Buffett ou Bill Gates com seus fundos de investimento gigantescos, e achamos que podemos fazer igual. Acontece que pessoas como essas não surgem do nada, são gênios que aparecem uma vez a cada século, as chances de eu ou você ser um novo Warren Buffett é extremamente difícil.

Foque em fazer o simples, não tente adivinhar o timing de mercado, as chances de você falhar miseravelmente serão enormes se tentar fazer isso.

Evito ao máximo vender uma empresa, só realizo a venda quando não vejo perspectivas muito boas no longo prazo para a empresa, ou quando ela corta o crescimento dos dividendos (no caso de empresas americanas).

Eu não vendo empresas porque ela chegou a valer 500% do seu valor original, ou por qualquer variação na cotação, tanto para cima quanto para baixo, toda empresa continua na minha carteira por tempo indeterminado ou até que seus fundamentos piore.

Voya Corporate o fundo passivo

Temos um fundo passivo que foi criado à 78 anos atrás. O fundo Voya Corporate Leaders Trust foi criado em 1935 com igual número de ações ordinárias das 30 maiores empresas americanas na época.

Depois de 78 anos ele tem 23 grandes empresas na carteira, na sua fundação foi estipulado que ele não poderia incluir novas empresas, essa variação no numero de empresas na carteira foi devido a fusões, cisões ou eliminação de dividendos desde a criação do fundo.

O fundo é de gerenciamento passivo e registrado na SEC sob o código de LEXCX. Era para ele ser liquidado agora esse ano, mas devido ao enorme sucesso, sua vida foi estendida para 2100.

As 30 empresas originais foram:

voya 1935

As 23 empresas na carteira atualmente:

voya hoje

Veja aqui no site do fundo.

Essa estratégia só funcionou pelo fato do fundo confiar nos seus campeões de dividendo e deixar o tempo de mercado fazer a sua parte.

 

Um investimento de US$ 10.000,00 em 1941 valeria hoje US$ 18,4 milhões até o final de 2014 gerando uma renda de dividendos anual na casa de US$ 400.000/ano. Fonte: prospecto.

O fato é que o fundo desde 1970, tem conseguido superar o S&P500, sendo completamente gerenciamento de forma passiva. Mais uma prova que manter empresas por longo período de tempo é algo muito vantajoso.

voya

Este é um belo exemplo que o investidor pode selecionar os lideres de crescimento de dividendos atuais, e pacientemente segurar as empresas por gerações.

Como investidor de dividendo, aprendi que não devo vender uma empresa porque alcançou X% do seu valor, para o investidor de Buy and Hold não existe essa de “vou realizar lucro”. Quem pensa assim, está fazendo qualquer outra coisa, menos Buy and Hold.

Pra mim não faz sentido se livrar das empresas que estão melhor na sua carteira e que irão impulsionar o seu portfólio para frente, tanto em termos de crescimento de dividendos quanto em valorização de capital.

Investidores, como o fundo citado acima, ignoraram todos os modismos durante 78 anos e fizeram muito bem investindo em negócios que resistiram ao teste do tempo. Apenas 3 ou 4, se não me engano, das empresas originais foram a falência, veja aqui outro relatório do fundo.

Se você realmente parar para pensar sobre isso, investir passivamente no longo prazo é o melhor aliado do investidor. O tempo permite que você silenciosamente aumente seu capital apenas com os dividendos das blue chips de qualidades que pagarão mais dividendos ano após ano, basta você ignorar qualquer barulho, noticias que estimule você a tentar fazer algo, quando na realidade não há nenhuma necessidade de agir.

Conclusão

O fundo nos mostrou que manter um portfólio diversificado de empresas blue chips que pagem dividendos regularmente e conseguem se adaptar aos cenários econômicos é uma ótima maneira de se construir e manter sua geração de renda.

O grande sócio do Warren Buffett, Munger já dizia: “a coisa mais difícil que uma pessoa pode fazer é ficar sozinho sem fazer nada”. O fato é que somos constantemente bombardeados pela mídia econômica, órgãos, blogs, o mundo de modo geral em se tratando de investimentos acaba inclinando-nos a fazer algo, quando na realidade não é necessária nenhuma ação na maioria dos casos.

Dados do Voya Corporate

Receber novidades por e-mail

Gostou do blog? Então se inscreva no campo abaixo para receber as atualizações via e-mail e curta nossa pagina no Facebook.

Rentabilidade leva ao giro de patrimônio

business-profitabilityRentabilidade é uma questão recorrente nos comentários e nas mensagens que recebo via e-mail e facebook, tanto que talvez esse seja um dos assuntos que mais expressei opinião aqui no blog, se não me engano esse é o terceiro artigo sobre o tema, já tivemos esse e esse.

Não é atoa que seja uma questão recorrente pois a maioria dos colegas da blogosfera que acompanho utilizam rentabilidade nos seus investimentos, nada contra pois cada um tem seu perfil de investimento, alguns tem um foco em trade outros fazem investimento para o curto prazo só que pra mim rentabilidade mais prejudica do que beneficia o investidor de longo prazo que busca uma renda passiva dos seus investimentos.

Nos últimos parágrafos vou falar um pouco mais sobre a rentabilidade, primeiro vamos entender uma de suas consequências que é o giro de patrimônio.

investindo-em-acoes-no-longo-prazo-a-biblia-do-mercado-de-acoes-para-o-investidor-de-longo-prazo-jeremy-j-siegel-8535230777_200x200-PU6e7a8485_1Quem acompanha o blog a mais tempo sabe que sou um grande seguidor da filosofia do Jeremy Siegel, inclusive sempre que possível recomendo a leitura de sua obra que pra mim é obrigatória à todos os investidores, o livro é um best-seller para investimentos.

Siegel fez junto com Schwartz um estudo em 2008 que intitulou de a “A ultima estratégia passiva de investimento” onde ele mostra o que ocorre com um investidor que tenha montado sua carteira com as empresas originais do índice SP500 de 1957 a 2003.

O investidor assume uma abordagem de investimento passivo total, onde se reinveste os dividendos, mantém as empresas que sofreram fusões e não faz qualquer reequilíbrio na sua carteira, simplesmente um básico Buy and Forget. Claro que no artigo foi algo didático, na pratica o investidor deve sim fazer revisões, ao menos anuais, e retirar aquelas que perderam eficiência.

Nos primeiros anos é natural que a carteira tenha um giro maior, visto a baixa experiência em escolher boas empresas, mas a medida que sua carteira vai aumentando e você vai conhecendo melhor o mercado a tendência é que sua carteira raramente se altere visto que seus critérios de escolhas serão mais refinados e saberá como escolher as empresas com os melhores cases de negocio.

Investimento passivo é excelente para o investidor de longo prazo

Interessante saber como um investimento totalmente passivo acabou superando o desempenho do SP500 durante o período de 46 anos.

passivo vs sp

Vale lembrar que durante esse período apenas 30 empresas faliram, 92 foram fundidas e 74 tiveram OPA.

Melhores desempenhos para empresas de consumo e farmacêuticas

A razão por traz disso é que essas empresas tem largos fossos competitivos, reforçada por fortes marcas que são frequentemente utilizadas pelos consumidores, lealdade de seus clientes aos produtos e o poder da precificação para manter o forte crescimento ao longo dos anos. Particularmente adoro esse tipo de empresa, não é atoa que minha carteira de investimento está repleta de empresas dessas industrias. A combinação dessas vantagens competitivas, preços e fidelidade da marca que resultam em retornos acima da média para os investidores.

top 20

Defensiva nos fim das contas compensam mais

O mais interessante é que investidores de empresas de crescimento lento, aquelas que os investidores tem expectativa baixa tendem a superar as empresas “glamourosas” nas industrias novas e excitantes. Isso porque as avaliações são geralmente baixas, e porque os investidores nas industrias mais populares do momento (aka industrias de tecnologia) tendem a aumentar as avaliações em busca de crescimento a partir de baixos retornos esperados.

SP 500 hoje em dia não é mais um índice passivo

Nesses últimos anos tenho investido em empresas americanas, especialmente as de crescimento de dividendos e sempre o pessoal fala sobre os ETFs, um dos motivos de não gostar muito desses investimentos é que nos dias de hoje índices como o SP500 não podem ser mais considerados um investimento passivo. A verdade é que o SP500 é um portifólio ativamente gerenciado, com volume de negócios frequente, onde novas empresas são frequentemente adicionadas quando suas avaliações são muito íngremes. Além disso os fundos de índices frequentemente precisam vender devido a ajustes, recompras, spin-offs e outras reorganizações.

Quando uma nova empresa é adicionada os investidores precificam antes mesmo dela ser adicionada ao índice, assim como fazem quando uma empresa tem um desempenho ruim e será retirada. Além disso as regras na composição desses ETFs mudam frequentemente e muitas vezes os investidores passivos por natureza não conseguem tomar tempo para aprender sobre elas. Enfim é um assunto bem complexo e abordarei sobre isso em posts futuros.

A lição mais importante para o investidor de longo prazo

A melhor lição que podemos tirar do estudo de Jeremy Siegel é que para conseguir o sucesso nos investimentos não precisa ser nenhum gênio, ou um mestre no valuation, basta escolher investimentos com bons fundamentos, construindo um portifólio diversificado, segurando essas empresas tanto nos momentos em que o mercado está em alta tanto quanto esteja em baixa e apenas ir reinvestindo os dividendos seletivamente.

O índice SP500 que constantemente adiciona novas empresas, foi muito ativo e não conseguiu fazer um melhor resultado do que um índice totalmente passivo. Os investidores que acreditam na rentabilidade e vivem a trocar de empresa em busca da que estiver no momento com a melhor performance, freqüentemente acabam fazendo muito mal no futuro. Por isso é importante para o investidor não ficar tentando seguir a bola da vez.

Tempo no mercado é mais importante que o sincronismo do mercado.

Tempo no mercado é importante, pois permite que os juros compostos façam a sua parte,. É importante manter suas ações vencedoras e não sucumbir ao tão falado reequilíbrio da carteira. É bem provável que algumas de suas ações com o tempo vai acabar indo mais de 1000% é por isso que vender mais cedo porque vislumbrou um pequeno lucro pode ser uma péssima escolha.

Buffett vendeu em 1999 suas ações do McDonalds (MCD) quando a ação estava em $35 – $40 dólares. As ações caíram para $12 dólares em 2003, antes de chegar a U$ 100 em 2011. O dividendo aumentou a cada ano durante o período, apesar de que o Mc Donalds teve alguns problemas operacionais em 2002-2003. Com efeito, Buffett perdeu essa grande oportunidade. Os grandes investidores podem nos ensinar mais ainda quando erram do que quando acertam.

Rentabilidade leva ao giro de patrimônio

Olhava a rentabilidade mês a mês e vi que isso estava me levando a girar o patrimônio, como verificamos acima investidores que giram patrimônio tendem a terminar com menos do que quando começaram. Ao acompanhar os resultados mensalmente acabava desejando realizar o lucro quando as ações estavam em alta e quando caia logo queria buscar outro investimento ou trocar algumas empresas.

Rentabilidade é como uma erva daninha, não existe aquela história de que vou acompanhar mas ela não vai me influenciar, está mais que comprovado o poder de subversão do subconsciente humano. Ficava todos os meses olhando esses números com o tempo sem perceber acabava sendo influenciado por eles, isso é natural, qualquer um que repita algo por um longo período de tempo vai acabar cedendo.

Tentava me auto sabotar dizendo pra mim mesmo que aquilo seria importante pra mim pois precisava de algo para acompanhar meu desempenho. Se não quero girar patrimônio pra que vou precisar de ficar acompanhando mensalmente a rentabilidade, então parei de controlar isso e comecei a fazer um levantamento anual.

Rentabilidade é uma das coisas que mais tira investidores da bolsa de valores, o ideal seria não olharmos para isso mas caso queira controlar sua rentabilidade recomendo a todos os investidores que tem o foco no longo prazo que façam num período anual, não somos nenhum fundo de investimento que precisa de prestar conta aos cotistas mensalmente.

 

 

Rentabilidade vs Aportes

Rentabilidade vs Aportes

value iconExistem coisas que são opostas por natureza como torcer para o Brasil vs Argentina, ser religioso vs ateu, política de direita vs política de e
squerda, Rentabilidade vs Valor aqui é onde vamos nos prender esse tema que para alguns parece ser tão complexo, mas é bem simples de entender.


Quando iniciamos os investimentos na bolsa geralmente focamos mais na rentabilidade, isso é normal pois as vezes nossos primeiros contatos com investimentos são em ativos onde a rentabilidade tem um fator fundamental, como uma poupança, renda fixa, previdência privada, no mercado de ações a coisa é um pouco diferente, pois a rentabilidade não necessariamente teria um fator importante para o sucesso de sua carteira no longo prazo.

No mercado de ações podemos considerar dois grupos de pessoas:

  • Grande investidor: geralmente são pessoas com muito dinheiro para se investir, as vezes proveniente de uma herança ou venda de algum ativo de alto valor, ou seja injetam grandes quantias porém esporadicamente.
  • Pequeno investidor: é aquele que faz uma economia do seu salário mensal e investe pequenas quantias e faz aportes quase que mensalmente.


Acredito que se você está aqui deve fazer parte do segundo grupo de investidores, e esse estudo é dedicado para aqueles que aplicam pequenas quantias mensais.

Entendendo o conjunto da opera

siegel2Os investidores que adotam a rentabilidade nas suas analises sempre foram maioria na bolsa, isso é motivado em boa parte pelo fato das literaturas sobre investimentos serem focadas no grande investidor, podemos contar nos dedos da mão os livros de qualidade direcionado ao pequeno investidor, apesar de todas as dificuldades existe um movimento de pessoas no mercado e de pequenos blogs para mostrar ao pessoal que focar em rentabilidade não é a melhor maneira de se vencer na bolsa.

Você deve estar se perguntando onde surgiu e quem tirou essa ideia de que rentabilidade não serve para nada quando se está investindo com aportes mensais e visando o longo prazo.

Essa filosofia de buscar o aumento de aportes mensais surgiu nos EUA (claro não poderia ser em outro lugar) com o professor Jeremy Siegel Ph.D do MIT o cara é um divisor de agua nos investimentos, literatura recomendada para todos que estejam querendo investir no mercado de ações.

Aqui no Brasil nos podemos colocar o ilustre Bastter é um dos grandes divulgadores dessa metodologia no mercado brasileiro e fundador de um dos melhores sites de investimento no mercado.

O preço não importa

Se você não é novo por aqui já deve ter visto em outros artigos que eu não utilizo o preço como fator de decisão para entrar ou sair de um investimento, pois para quem faz buy and hold isso não faz a menor diferença, o importante acima de tudo é o quanto você consegue investir por mês.

Fazer com que seus aportes mensais crescem ao longo do tempo lhe trará um retorno muito maior que perder horas e horas estudando empresas para achar aquela que tem X % de desconto.

Fiz nesse artigo um estudo para comprovar na prática que quem aumenta os seus aportes mensais vai se sair melhor do que aquele que consegue a melhor rentabilidade.

Simulei 3 investidores que efetuam compras mensais do Bradesco [BBDC4] de Janeiro de 2004 a Junho de 2014, que aportaram inicialmente R$ 1.000,00 vamos considerar uma inflação de 8% a.a. (geralmente o índice de inflação no país fica na casa dos 6% a.a. coloquemos uma margem para tornar a coisa mais real).

  • 1º Investidor: é um cara que investe focado em rentabilidade, perde horas no mês analisando as empresas para achar o melhor momento para efetuar a compra, se preocupa com a cotação do ativo mas não se importa com o quanto ele separa por mês para seus investimentos ele acredita que conseguindo comprar sempre mais barato irá vencer na bolsa.Ele vai conseguir comprar sempre na menor cotação do mês (coluna MIN) o que é praticamente impossível uma pessoa acertar o fundo de uma ação todos os meses ao longo de 10 anos, mas vamos supor que esse investidor é um ponto fora da curva e consiga isso.

    Apesar dele não conseguir aportar muito por mês eu ainda considerei um aumento de aporte de 8% anual somente para evitar que ele não perca capital com a desvalorização anual decorrente da inflação.

  • 2º Investidor: é um cara que investe focado em aumentar os aportes mensais, ele não se importar com o preço do ativo na hora de comprar, o cara está focado no seu trabalho e em sempre produzir mais dinheiro por mês para poder investir mais.Ele tem mantido uma meta de aumentar anualmente 16% do seu aporte mensal (o dobro da inflação) isso daria mensalmente 1,33% (vou colocar mensalmente para facilitar o estudo mas eu gosto de analisar os números sempre anualmente) levando-se em conta que ele investe 10% do seu salário de R$ 10.000,00 ele só precisaria de míseros R$ 13,30 por mês, nada muito difícil de se conseguir para um cara que ganha R$ 10.000,00 por mês.No final das contas ele vai manter uma taxa de aporte de aproximadamente 50% do salário de 10 anos atras, super tranquilo de se conseguir, mas vamos ser mais realista o cara não ficaria 10 anos sem ganhar aumento de renda.

    Considerando-se que ele reajuste o salário pelo menos pela inflação, em 10 anos ele estará recebendo mais que o dobro do que ganhava de salário.

    Veja que estou sendo muito conservador aqui, se ele investe o dobro da inflação mensal ele poderia aumentar seu salário para o dobro da inflação também o que lhe daria uma renda mensal de mais R$ 52.000,00 o que lhe permitiria investir por mês mais do que eu informei no estudo.

    Data Salário Inflação de 8% a.a. Aporte Economia
    Em 2004 R$ 10.000,00 R$ 1.000,00 10% do salário
    Em 2014 R$ 23.041,38 R$ 5.215,01 22% do salário

    Enfim ele é um azarão nos investimentos e por azar ele sempre consegue comprar no topo do preço (coluna MAX) o que também é muito difícil um cara acertar o topo todos os meses por 10 anos.

  • 3º Investidor: é um cara como eu e você que compra sempre na média mas tem buscado aumentar seus aportes mensais na mesma proporção que o 2º investidor, esse camarada não se importa com o preço ele simplesmente lança o preço de compra e não se preocupa se é o maior ou menor do mês. Esse seria o mais próximo da realidade para interpreta-lo eu usei o preço médio de venda das ações do Bradesco no mês (coluna MED).

Mais abaixo acompanhe a tabela mostrando esses desdobramentos.

Conclusão

1º Investidor termina com 5.496 ações do Bradesco, foi o que apresentou o pior resultado dos três mostrando que pouco importa o preço que você paga numa ação.

2º Investidor termina com 9.129 ações do Bradesco foi o intermediário, mas também o cara que conseguir comprar no topo por 10 anos pode jogar na mega-sena que vai ficar rico.

3º Investidor termina com 9.254 ações do Bradesco foi o melhor resultado, ele quase que teria o dobro do 1º investidor que é quem investe focado em rentabilidade, buscando comprar sempre mais barato. Podem ver que a diferença de ações para o 2º investidor é muito pequena ou seja mesmo que você consiga ser “o melhor dos dois mundos” e consiga aumentar seus aporte e ainda sim conseguir compra mais barato a cada mês você terminará com quase a mesma quantidade de ações que o pior investidor do mercado.

Comprovado a teoria em números e agora se tornando um fato você cai na questão mais difícil, que é: Como aumentar meus aportes mensais?

Basicamente temos duas opções:

  • Gastar menos do que ganha a cada mês. (isso é crucial e será assunto de outro post)
  • Ganhar cada mês mais e manter seus gastos relativamente estáveis.

O desafio está em fazer sobrar sempre mais por mês, você precisa estar sempre buscando ganhar mais que o mês anterior, se você é dono do seu próprio negócio, se é um profissional autônomo e consegue gerar sua própria renda, pode ser mais simples de se conseguir esse objetivo.

Mas talvez você esteja numa profissão ou trabalho onde não tenha perspectivas de crescer no curto prazo, mas o importante é você travar um objetivo montar um plano de vida profissional que seja rentável no longo prazo que lhe permita aumentar os seus rendimentos mês a mês, talvez de imediato você não consiga isso, então nesse caso foque em gastar menos todo mês até que você consiga uma condição de aumentar a sua receita mensal.

Você pode ser um assalariado e mesmo assim fazer um bico ou arrumar uma fonte de renda extra, enfim existem inúmeras opções e apesar de todas as nossas dificuldade no Brasil o que não falta é oportunidades para quem quer trabalhar e crescer de verdade nesse país.

 

Dados históricos do estudo - BRADESCO BBDC4
DATA MIN MAX MED Aporte
+ 8% a.a.
Foco Rent.
1º Investidor
Aporte
+ 1,33% a.m.
+$ Mensal – MAX
2º Investidor
+$ Mensal – MED
3º Investidor
01/2004 15,09 15,30 15,19 1000,00 66 1.000,00 65 66
02/2004 13,80 14,80 14,41 1.006,70 139 1.013,30 134 136
03/2004 14,63 15,00 14,90 1.013,44 208 1.026,78 202 205
04/2004 140,00 143,97 142,23 1.020,23 216 1.040,43 210 212
05/2004 117,50 121,00 118,67 1.027,07 225 1.054,27 218 221
06/2004 131,00 134,00 132,40 1.033,95 232 1.068,29 226 229
07/2004 140,00 145,65 143,95 1.040,88 240 1.082,50 234 237
08/2004 139,60 141,90 140,78 1.047,85 247 1.096,90 241 245
09/2004 140,51 143,50 141,91 1.054,87 255 1.111,49 249 252
10/2004 150,80 158,00 155,21 1.061,94 262 1.126,27 256 260
11/2004 171,11 173,00 171,74 1.069,06 268 1.141,25 263 266
12/2004 178,15 183,32 180,60 1.076,22 274 1.156,43 269 273
01/2005 65,00 66,34 66,04 1.083,43 291 1.171,81 287 291
02/2005 63,60 64,50 64,14 1.090,69 308 1.187,39 305 309
03/2005 81,21 85,25 84,30 1.098,00 322 1.203,19 319 323
04/2005 77,01 79,00 78,21 1.105,35 336 1.219,19 335 339
05/2005 78,23 82,50 80,34 1.112,76 350 1.235,40 350 354
06/2005 77,34 78,40 77,79 1.120,21 365 1.251,83 366 370
07/2005 82,80 84,35 83,84 1.127,72 378 1.268,48 381 385
08/2005 82,70 85,59 84,66 1.135,28 392 1.285,35 396 401
09/2005 98,99 100,90 99,99 1.142,88 403 1.302,45 409 414
10/2005 108,55 113,45 111,87 1.150,54 414 1.319,77 420 426
11/2005 116,85 122,00 119,80 1.158,25 424 1.337,32 431 437
12/2005 67,80 70,10 69,61 1.166,01 441 1.355,11 451 456
01/2006 65,68 68,20 66,67 1.173,82 459 1.373,13 471 477
02/2006 86,05 88,20 86,84 1.181,68 473 1.391,40 486 493
03/2006 89,23 91,75 90,43 1.189,60 486 1.409,90 502 508
04/2006 78,00 80,60 79,83 1.197,57 501 1.428,65 520 526
05/2006 78,64 80,10 79,43 1.205,60 517 1.447,66 538 544
06/2006 70,40 73,00 72,15 1.213,67 534 1.466,91 558 565
07/2006 67,77 70,45 69,63 1.221,81 552 1.486,42 579 586
08/2006 71,06 72,68 71,84 1.229,99 569 1.506,19 600 607
09/2006 69,75 72,37 71,38 1.238,23 587 1.526,22 621 628
10/2006 72,77 74,43 73,79 1.246,53 604 1.546,52 641 649
11/2006 76,09 77,77 77,15 1.254,88 621 1.567,09 662 670
12/2006 79,75 82,00 80,43 1.263,29 637 1.587,93 681 690
01/2007 86,20 89,55 88,49 1.271,75 651 1.609,05 699 708
02/2007 85,30 87,50 86,34 1.280,27 666 1.630,45 718 727
03/2007 74,52 79,01 76,70 1.288,85 684 1.652,14 738 748
04/2007 40,53 42,00 40,95 1.297,49 716 1.674,11 778 789
05/2007 43,53 44,48 44,18 1.306,18 746 1.696,37 816 827
06/2007 49,10 50,31 49,90 1.314,93 772 1.718,94 851 862
07/2007 46,55 47,21 46,86 1.323,74 801 1.741,80 888 899
08/2007 47,75 49,01 48,36 1.332,61 829 1.764,96 924 936
09/2007 49,00 49,70 49,26 1.341,54 856 1.788,44 960 972
10/2007 53,46 55,25 54,68 1.350,53 881 1.812,22 992 1.005
11/2007 57,22 58,50 57,74 1.359,57 905 1.836,33 1.024 1.037
12/2007 56,60 58,30 57,72 1.368,68 929 1.860,75 1.056 1.069
01/2008 52,90 56,86 54,40 1.377,85 955 1.885,50 1.089 1.104
02/2008 44,74 47,39 45,88 1.387,09 986 1.910,57 1.129 1.145
03/2008 52,40 54,35 53,44 1.396,38 1.013 1.935,99 1.165 1.182
04/2008 49,15 50,02 49,68 1.405,74 1.042 1.961,73 1.204 1.221
05/2008 39,55 41,50 40,53 1.415,15 1.077 1.987,83 1.252 1.270
06/2008 37,90 39,00 38,36 1.424,64 1.115 2.014,26 1.303 1.323
07/2008 31,65 32,70 32,22 1.434,18 1.160 2.041,05 1.366 1.386
08/2008 32,30 33,19 32,63 1.443,79 1.205 2.068,20 1.428 1.449
09/2008 29,28 30,00 29,57 1.453,46 1.255 2.095,71 1.498 1.520
10/2008 29,50 31,20 30,45 1.463,20 1.304 2.123,58 1.566 1.590
11/2008 25,00 27,50 26,18 1.473,00 1.363 2.151,82 1.644 1.672
12/2008 22,67 23,85 23,18 1.482,87 1.429 2.180,44 1.736 1.766
01/2009 22,79 24,89 24,19 1.492,81 1.494 2.209,44 1.825 1.858
02/2009 20,13 20,70 20,32 1.502,81 1.569 2.238,83 1.933 1.968
03/2009 19,80 20,69 20,09 1.512,88 1.645 2.268,60 2.042 2.081
04/2009 22,77 23,83 23,45 1.523,02 1.712 2.298,78 2.139 2.179
05/2009 27,00 28,40 28,06 1.533,22 1.769 2.329,35 2.221 2.262
06/2009 30,35 31,20 30,85 1.543,49 1.820 2.360,33 2.297 2.338
07/2009 28,75 29,30 29,03 1.553,83 1.874 2.391,72 2.378 2.421
08/2009 29,85 30,28 30,13 1.564,24 1.926 2.423,53 2.458 2.501
09/2009 30,14 31,00 30,56 1.574,72 1.978 2.455,77 2.537 2.581
10/2009 34,71 35,66 35,17 1.585,28 2.024 2.488,43 2.607 2.652
11/2009 34,25 35,78 35,09 1.595,90 2.071 2.521,52 2.678 2.724
12/2009 36,55 37,56 37,22 1.606,59 2.115 2.555,06 2.746 2.793
01/2010 36,80 37,93 37,57 1.617,35 2.159 2.589,04 2.814 2.862
02/2010 31,43 31,99 31,74 1.628,19 2.210 2.623,48 2.896 2.944
03/2010 31,23 31,64 31,49 1.639,10 2.263 2.658,37 2.980 3.029
04/2010 32,95 33,45 33,24 1.650,08 2.313 2.693,72 3.061 3.110
05/2010 31,54 32,21 31,76 1.661,14 2.366 2.729,55 3.145 3.196
06/2010 29,39 30,35 29,98 1.672,27 2.423 2.765,85 3.236 3.288
07/2010 28,06 29,37 28,76 1.683,47 2.483 2.802,64 3.332 3.385
08/2010 32,19 32,69 32,50 1.694,75 2.535 2.839,92 3.419 3.473
09/2010 30,69 31,60 31,31 1.706,10 2.591 2.877,69 3.510 3.565
10/2010 33,72 34,45 34,22 1.717,53 2.642 2.915,96 3.594 3.650
11/2010 35,11 36,27 35,84 1.729,04 2.691 2.954,74 3.676 3.732
12/2010 33,95 34,70 34,43 1.740,63 2.742 2.994,04 3.762 3.819
01/2011 32,90 33,47 33,20 1.752,29 2.795 3.033,86 3.853 3.911
02/2011 30,84 31,26 31,02 1.764,03 2.853 3.074,21 3.951 4.010
03/2011 31,40 32,20 31,67 1.775,85 2.909 3.115,10 4.048 4.108
04/2011 33,26 33,94 33,65 1.787,75 2.963 3.156,53 4.141 4.202
05/2011 30,90 31,70 31,07 1.799,72 3.021 3.198,51 4.242 4.305
06/2011 30,37 31,10 30,69 1.811,78 3.081 3.241,05 4.346 4.410
07/2011 31,30 32,00 31,81 1.823,92 3.139 3.284,16 4.449 4.514
08/2011 29,40 30,20 29,79 1.836,14 3.202 3.327,84 4.559 4.625
09/2011 28,77 30,42 29,92 1.848,44 3.266 3.372,10 4.670 4.738
10/2011 27,00 27,91 27,39 1.860,83 3.335 3.416,94 4.792 4.863
11/2011 29,70 31,06 30,37 1.873,30 3.398 3.462,39 4.904 4.977
12/2011 30,00 30,83 30,57 1.885,85 3.461 3.508,44 5.017 5.092
01/2012 30,35 31,00 30,69 1.898,48 3.523 3.555,10 5.132 5.207
02/2012 30,87 31,65 31,17 1.911,20 3.585 3.602,39 5.246 5.323
03/2012 31,32 31,78 31,58 1.924,01 3.647 3.650,30 5.361 5.439
04/2012 31,76 32,23 32,01 1.936,90 3.708 3.698,85 5.475 5.554
05/2012 30,09 30,98 30,53 1.949,88 3.772 3.748,04 5.596 5.677
06/2012 28,84 29,90 29,56 1.962,94 3.840 3.797,89 5.723 5.805
07/2012 29,65 30,17 29,93 1.976,09 3.907 3.848,40 5.851 5.934
08/2012 30,93 31,95 31,60 1.989,33 3.971 3.899,59 5.973 6.057
09/2012 32,93 33,62 33,44 2.002,66 4.032 3.951,45 6.091 6.176
10/2012 32,25 33,37 32,98 2.016,08 4.095 4.004,00 6.211 6.297
11/2012 31,84 33,18 32,72 2.029,59 4.159 4.057,26 6.333 6.421
12/2012 35,50 36,11 35,82 2.043,18 4.216 4.111,22 6.447 6.536
01/2013 35,76 36,44 36,13 2.056,87 4.274 4.165,90 6.561 6.651
02/2013 36,00 36,67 36,36 2.070,65 4.331 4.221,30 6.676 6.767
03/2013 34,95 35,89 35,48 2.084,53 4.391 4.277,45 6.795 6.888
04/2013 33,64 34,37 33,91 2.098,49 4.453 4.334,34 6.921 7.015
05/2013 32,63 33,48 32,95 2.112,55 4.518 4.391,98 7.053 7.149
06/2013 33,15 34,35 33,40 2.126,71 4.582 4.450,40 7.182 7.282
07/2013 28,40 29,00 28,65 2.140,96 4.657 4.509,59 7.338 7.439
08/2013 27,85 28,67 28,39 2.155,30 4.735 4.569,57 7.497 7.600
09/2013 27,80 28,56 28,14 2.169,74 4.813 4.630,34 7.659 7.765
10/2013 30,11 30,91 30,69 2.184,28 4.885 4.691,92 7.811 7.918
11/2013 31,96 32,46 32,21 2.198,91 4.954 4.754,33 7.957 8.065
12/2013 30,12 31,18 30,59 2.213,65 5.028 4.817,56 8.112 8.223
01/2014 28,76 29,25 29,03 2.228,48 5.105 4.881,63 8.279 8.391
02/2014 25,02 25,99 25,36 2.243,41 5.195 4.946,56 8.469 8.586
03/2014 26,77 27,29 26,93 2.258,44 5.279 5.012,35 8.653 8.772
04/2014 31,00 31,53 31,25 2.273,57 5.353 5.079,01 8.814 8.935
05/2014 32,96 34,21 33,72 2.288,80 5.422 5.146,56 8.964 9.087
06/2014 31,03 31,60 31,30 2.304,14 5.496 5.215,01 9.129 9.254

 

 

 

Rentabilidade e sua inutilidade

Rentabilidade e sua inutilidade

rentabilidade-tesourodiretoSe tem uma das coisas que mais tira pessoas na bolsa é a tal rentabilidade. Não sei porque todo investidor tem a mania de viver calculando a rentabilidade de seus investimentos.

A rentabilidade é útil pra quem faz trade, para fundos de investimento para milionários saberem de seus resultados agora para o pequeno investidor que faz Buy And Hold ela não tem o menor sentido.

O grande vilão nos investimentos não é o governo, nem o cenário macro econômico mas nos mesmos com nossas emoções. São poucas pessoas que conseguem controlar suas emoções tanto na euforia quanto no pânico do mercado. Se você estiver nesse grupo pode se considerar um privilegiado. Diante disso a rentabilidade se torna uma verdadeira arma que mais lhe atrapalha do que ajuda.

O que importa é o quanto você consegue economizar no final do mês e a quanto tempo você investe, esses dois fatores são os fundamentais no crescimento dos juros compostos. Veja abaixo no estudo que fiz mostrando uma pessoa que investe 12 mil por ano a uma rentabilidade de 5% e uma outra pessoa que investe 6 mil por ano a uma rentabilidade de 10% nem precisa explicar nada os número falam por si só:

rentabilidade vs trabalho

Acompanhe no gráfico acima que não importa a rentabilidade quando se está na fase de acumular patrimônio, mas o que importa é o valor que você economiza por mês das suas despesas para converte-las em mais investimentos. A rentabilidade só será útil quando sua carteira estiver completamente formada, ou seja, quando sua renda passiva superar em 2x as suas despesas mensais. Nessa hora você terá um valor considerável de patrimônio investido no mercado aí 1% ou 0,5% a mais ou a menos farão toda a diferença.

Outra coisa que me deixa injuriado é a tara que o pessoal tem para saber o preço atual da ação e comparar com o preço que comprou para saber o quanto ganhou sendo que no momento que você compra o ativo ele vai valer aquele preço de compra ate o momento de vender se nunca vede-lo ele sempre valerá pra você aquele valor de compra. 

Por isso é o que sempre falo nos meus artigos, procure empresas boas e esqueça o quanto elas valem a preço de mercado, não importa o preço que você pagou e nem o quanto ela vale agora, se ela continuar boa você nunca precisará vende-la.

Se acompanhar a minha carteira vai perceber que nunca guardo o preço de mercado do ativo, mas apenas o preço que paguei, trabalho sempre com o preço médio, que é o mesmo PM para declaração do imposto de renda e estou me lixando para o valor de mercado atual a única coisa que me importa é se a empresa continua dando bons resultados, se algum dia ela piorar eu vendo ao preço de mercado aceito o prejuízo e vejo onde errei e sigo a bola pra frente.

Saiba mais obre esse assunto neste artigo que comprara em números quem investe em rentabilidade vs aportes.