Porque o investidor de dividendos deve ignorar preço

Porque o investidor de dividendos deve ignorar preço

Atualmente somos bombardeados com informações sobre mercado de ações em qualquer lugar que vamos, seja direta ou indiretamente tem algo ali relacionado. Você pode encontrar preço das ações e noticias sobre o mercado em muitos canais de TV, jornais, internet e até mesmo numa simples entrada num elevador.

Esse excesso de informação cria uma sobrecarga, que gera um impulso de comprar e vender ações. No entanto, isso pode ser muito perigoso para sua independência financeira. Pesquisas mostram que investidores que negociam ativamente no mercado geram retornos mais baixos que até mesmo os ETFs. Na verdade, a estratégia mais inteligente para um investidor de longo prazo é ignorar as flutuações de curto prazo nos preços e concentrar-se nos fundamentos.

Concentre-se nos fundamentos das empresas visando o longo prazo. Entender como a empresa funciona e as implicações externas sobre seu case de negócio, o problema que leva-se tempo para isso. Se os lucros estão subindo, o mercado vai premiar as empresas aumentando o seu preço e a empresa será capaz de recompensar seus acionistas com dividendos maiores.

Os preços das ações as vezes ficam separados dos fundamentos, no entanto, é quando a paciência dos investidores de dividendo é testada.

Durante a euforia do mercado acionário, os investidores fiéis aos dividendos tendem a sentir-se fora de sincronia com o resto do mercado, quando ações que não distribuem dividendos tendem a entregar temporariamente crescimentos de dois dígitos.

Como investidores de dividendos, devemos estar prontos para aproveitar desses momentos onde os preços das ações caem. Vejo esses momentos como oportunidades para adicionar mais ações ao portfólio. Depois disso eu espero pacientemente as empresas executarem suas estratégias e prosperarem, mesmo que o mercado de ações demore anos para reconhecer. Desde que os fundamentos são sólidos, e enquanto o dividendo continuar a crescer irei cada vez comprar mais.

Por exemplo, entre 1972 a 1985, as ações da Procter Gamble PG ficaram lateralizadas. O único retorno colhido pelos investidores nesses 13 anos foram os dividendos. A razão por trás deste mau desempenho deveu-se as ações da PG serem sobrevalorizadas em 1972 antes da queda, rendendo um yield de 1,3%. Em 1985, o dividendo aumentou em 233% e o preço tinha subido só 4,3%. Para os investidores originais que seguraram as ações da PG a preços abaixo do de compra tiveram um aumento do Yield on Cost.

Apesar do fato das ações da PG ficarem lateralizadas por 13 anos, os lucros foram aumentando, e portanto o negócio foi se tornando mais valioso.

Infelizmente os investidores nunca aprendem, e pelo final de 1999, Procter & Gamble (PG) foi negociada a $55 e apresentou um yield de 1,2%. As ações caíram depois de várias noticias negativas da mídia e bateram os $27, demorou 4 anos para recuperar o valor dos top histórico de 2000. Os dividendos da PG haviam subido mais de 50% durante esse mesmo período de tempo.

Para os investidores que compram a Procter & Gamble na década de 1980, estavam tendo elevados YoC. Isso significa que a volatilidade dos preços das ações deve ter assustado muitos investidores e os fundos não colocavam mais posições da PG na carteira.

Outro exemplo notável de queda nos preços enquanto os dividendos continuavam a subir foi do Mc Donalds que saiu de um top em 1999 de $49 para o fundo de $13 em 2003. Isso foi causado pela supervalorização da ação, mesmo motivo da PG, noticias e euforia do mercado fez com que os preços subissem e os yields caíssem.

Tivemos vários exemplo do que chamamos de promoção durante a crise de 2007-2009. As ações da Johnson & Johnson JNJ, McDonalds MCD e outras forneciam fluxos crescente de dividendos aos acionistas e estavam sendo negociadas cada vez mais por valores ainda mais atraentes. Os fundamentos estavam melhorando ano a ano e isso tranquilizava aqueles investidores de dividendos, apesar do fato de que parecia como se a bolsa inteira estava sendo quebrada em pedaços.

Para resumir, investidores de longo prazo devem esperar volatilidade dos preços, mesmo quando os fundamentos de suas ações estão indo muito bem. O que você precisa de saber e definir bem são os seus critérios de entrada e saída de uma ação, por exemplo, sempre que uma ação de crescimento de dividendos corta os dividendos é um sinal claro de que seus fundamentos não estão mais presentes, isso pra mim é um critério de saída que me faz vender a ação a preço de mercado independente se tem lucro ou não.

No caso da Procter & Gamble PG em 1972, 1999 e 2007, apesar do fato dos seus fundamentos estarem sólidos, preço da ação foi superfaturado, que levou a alta volatilidade, o mesmo foi para investidores de Coca-Cola KO, Wal-Mart Stores WMT e McDonalds MCD em 1999.

Outro exemplo, logo após crash de 1987, Warren Buffett começou a comprar Coca-Cola, e quando ela se recuperou ele tinha o custo médio de US $ 3,2475/ação. Para investidores de longo prazo como o Warren Buffett, o fluxo de dividendos continuou aumentando, seu YoC continuou subindo e ele começou a reinvestir esses dividendos gerando mais fluxo de caixa para a Berkshire Hathaway.

Foco no poder de lucro da empresa

Foco no poder de lucro da empresa

Se você é um investidor de crescimento de dividendos, já sabe que crescer os dividendos de forma constante é só metade da história. Todas as empresas que cresceram os dividendos de forma consistente, por mais de uma década, tiveram um padrão de crescimento no lucro durante esse mesmo período de tempo.

Como um investidor de Dividendos, meu objetivo é encontrar ações atrativas que crescem consistentemente os dividendos. Eu faço isso e compartilho com meus assinantes no Ex-Dividend, saiba mais aqui. Eu pesquiso diversas empresas de forma exaustiva na lista de empresas que cresceram dividendos. São mais de 880 empresas que aplico meus critérios de seleção e vou olhando como uma lupa para cada case de negócio. Eu não me preocupo muito com os recordes de dividendos que uma empresa alcançou. Isso é um ponto positivo? Sem dúvida. Mas não é algo decisivo nos meus estudos.

Uma empresa de dividendos passa por 3 estágios durante a sua vida, vou até fazer um artigo comentando sobre isso no futuro. Eu geralmente gosto mais da empresas que estão na segunda fase, embora as vezes tenho uma quedinha para algumas que se encontram na primeira fase.

No entanto, eu tento selecionar não só empresas que tenham um registro de aumento de dividendos, mas aquelas que têm chances decentes de continuar a crescer seus dividendos pelos próximos 20 ou 30 anos. Nem toda empresa vai conseguir isso, mas para aquelas que conseguem, elas irão gerar a maior parte do crescimento de dividendos do portfólio, falei sobre os vencedores aqui nesse artigo: Porque a maioria dos investidores falham na bolsa.

A fonte oculta do crescimento de dividendos é o crescimento dos lucros. Se você é assinante do XD+ sabe que lá tem empresas que podem aumentar os lucros por ação por um longo período de tempo. Crescer os lucros por ação são o combustível atras do crescimento de dividendos.

Por exemplo, a Visa Inc, aumentou os dividendos a 10 anos consecutivos, a empresa saiu de um lucro por ação de $0,24 para $4,09 nesse último ano de 2018, enquanto que os dividendos foram mais que dobrados saindo de $0,03 para $0,78. O resto dessa diferença foi investido no próprio negócio para assim gerar mais lucros e depois poder aumentar ainda mais os dividendos.

Uma empresa que é incapaz de crescer os lucros ao longo do tempo não poderá se dar o luxo de crescer os dividendos por tanto tempo. Por exemplo Diebold (DBD) tinha conseguido aumentar os dividendos por 60 anos consecutivos até que veio a cortar em 2013. Infelizmente, a empresa foi incapaz de crescer os lucros, e a relação de pagamento dividendos atingiu os limites que uma distribuição poderia se tornar sustentável.

Como resultado a empresa manteve a distribuição em 2014 e 2015, se o investidor segue o “Jeito Viver de Dividendos de investir” ele já teria pulado fora do barco em 2014. Aí você começa a olhar para a Diebold nos dias atuais e vê que os dividendos foram cortados de 0,96 no primeiro corte em 2016, depois cortou para 0,40 em 2017 e agora está em 0,30. E o lucro? Despencou de um lucro de $1,76 para um prejuízo de $-4,66!!!

Ok Viver de Dividendos, já entendi que o lucro é importante para o crescimento dos dividendos, mas me explica como saber que uma empresa vai conseguir crescer os lucros?

Aí que está o pulo do gato, se liga que vou te explicar como matar a charada!

Vamos pegar o caso de Procter & Gamble, a empresa possui fortes marcas e relativamente tem produtos baratos que os consumidores compram com muita frequência. A maioria dos consumidores vai ficar com uma marca cuja a qualidade eles confiam e nem irão se importar com um ligeiro aumento nos preços ao longo do tempo. Se você gosta das fraldas Pampers e confia na qualidade da marca, não vai se importar em procurar um substituto para economizar 50 centavos. Com esse poder de precificação, P&G consegue repassar os custos facilmente para os consumidores. Isso resulta em lucros crescentes ao longo do tempo.

A analise qualitativa do negócio é mais importante que analisar os números. É aqui que a maioria da galera vacila. Quem acompanha as Revista do Viver de Dividendos no XD+ sabe que cada edição ao analisarmos um ativo nosso foco maior é na análise qualitativa do mesmo. Se uma empresa tem marcas fortes e fosso largo, poderá aumentar os preços e isso não afetará os lucros gerados a partir de seus fiéis clientes.

Pega por exemplo empresas de tabaco que tem vendido vício. Empresas como essas conseguem aumentar o preço de seus produtos por anos a fio. Apesar da diminuição no número de usuários ao longo dos anos, os aumentos de preços e o corte de gastos com aumento de eficiência levantou o lucro dessas empresas por décadas.

O que você deve evitar nas suas escolhas é empresas que oferecem produtos tipo commodities, empresas que podem perder liderança devido a mudanças tecnológicas bruscas, bem como as empresas cíclicas por natureza como as de commodities.

Uma empresa de commodities deixa o mercado dizer o quanto vale seus produtos, não detém o controle do mercado consumidor e portanto não tem o poder de fixação de preços como uma Coca Cola KO ou uma Colgate Palmolive CL.

É muito comum ver investidores se enganarem com essas empresas de commodities, pois os preços flutuam de acordo com as condições econômicas. Podemos ver isso mais claramente em empresas de minério, mas especialmente em siderúrgicas.

Evite também empresas que tiveram um boom temporário nos lucros, quando você analisa, não consegue ver nada mais que sorte de estar no momento certo e no lugar certo. Pegamos aí o exemplo das petroleiras que tiveram bons resultados quando o petróleo esteve em picos passados de cotação, ou mesmo empresas de ouro mais atrás que tiveram crescimento de lucros consistente por uma década para depois a commodities se reajustar novamente.

Por fim, mas não menos importante, evite empresas cujos produtos ou serviços podem ser considerados obsoletos por mudanças tecnológicas (alô galera da UGPA kkkk), pois não serão capazes de manter o fluxo de caixa crescente para continuar os crescimentos dos dividendos. Empresas de TI são exemplo clássico disto, essas empresas raramente conseguem ter vantagens competitivas que permitam crescerem os dividendos por 15 ou 20 anos seguidos.

Olhando hoje você realmente acredita que uma INTEL continuará a fornecer tecnologia em 2030, ou seus produtos estarão obsoletos ? Alias, ela já está se tornando carta fora do baralho, olhe aqui. No entanto, muito provavelmente em 2030 teremos os consumidores ainda comendo Lay’s da Pepsico (PEP).

Em resumo, uma empresa que gerência o crescimento dos lucros ao longo do tempo, será capaz de pagar aos acionistas como recompensa um fluxo crescente de dividendos. Os investidores devem analisar cada empresa detalhamento e determinar se ela tem as características qualitativas que lhe permita crescer os lucros. Se essas características são atendidas então o trabalho do investidor é ensacar na carteira esses ativos montando um portfólio bem diversificado. Quem é assinante do XD já tem isso bem mastigado, só falta engolir, feito uma boa Lay’s :)

 

Análise de FII – Participação no imóvel

Análise de FII – Participação no imóvel

Vamos mostrar para vocês o que olhar acerca de análise de FII na sua participação nos imóveis. Claro que se tratando de investimento fundamentalista não podemos analisar só esse indicador, alias em analise de empresas e FII qualquer indicador que tente sozinho resumir tudo será uma completa falácia.

O video surgiu de uma conversa com um leitor no nosso WhatsApp, como eu digo são vocês que fazem a pauta desse blog.

Além deste vídeo também temos no nosso Ex-Dividend uma edição da Revista Viver de Dividendos onde falamos especificamente sobre o aspecto de análise quantitativa de um REIT. Se você sempre quis saber sobre o que olhar acerca de números na análise de um REIT o XD pode lhe ajudar nisso.

Conheça o Ex-Dividend Plus

Saiba mais sobre o Ex-Dividend aqui e aqui.

O caso do MFII11 da bolsa americana e sua fraude

O caso do MFII11 da bolsa americana e sua fraude

Você que tem o MFII11 na carteira é obrigatório assistir esse vídeo, pois vou mostrar um REIT (como um FII americano) que passou por um problema parecido com o MFII11. Você quer saber como se desenrolou a história do ARCP hoje chamado de VEREIT e o que aconteceu depois do escândalo? Bom talvez essa resposta possa te ajudar a tomar a decisão mais correta acerta do que fazer quando o MFI11 voltar a ser operado no mercado.

Aquele velho clichê de o inteligente aprende com seus erros, o sábio aprende com os erros dos outros. Veja como os americanos erraram e tente aprender com os erros deles.

Invista nos Estados Unidos

Se você gostou da lista e quiser comprar empresas de crescimento de dividendos, saiba que é possível investir nos Estados Unidos de forma simples e barata. Não precisa ter tanto dinheiro e pode-se operar daqui do Brasil.

Abra sua conta numa corretora americana, diversifique seus investimentos em dólar e comece agora mesmo a montar sua carteira de ações nos Estados Unidos. Veja aqui como Abrir uma conta na corretora americana.

Homenagem ao Viver de Construção

Homenagem ao Viver de Construção

Faleceu um dos maiores ícones da nossa blogosfera, o Viver de Construção. Um cara fantástico ao qual tive o prazer de conviver e trocar ideias. Uma perda gigante para toda a comunidade financeira, vai um grande exemplo de investidor e brasileiro que lutou para conquistar a sua independência financeira.

Não tenho outra maneira de homenagear o Viver de Construção senão deixando um breve comentário sobre a sua história:

Conheça o trabalho do VdC.

Citei o trabalho dele recentemente nesse post.